Manuel Delgado pediu demissão por “uma questão pessoal”, esclarece Governo

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou hoje que Manuel Delgado pediu a demissão do cargo de secretário de Estado da Saúde devido a “uma questão pessoal”, sem esclarecer se a saída está relacionada com a sua ligação à associação Raríssimas.

“O doutor Manuel Delgado, cujo trabalho como secretário de Estado da Saúde queria enaltecer, entendeu que tinha uma questão pessoal que não permitia que continuasse com as condições necessárias para o exercício do seu cargo como secretário de Estado da Saúde”, afirmou hoje aos jornalistas, no parlamento, Augusto Santos Silva, que assume as funções de chefia do Governo, na ausência do primeiro-ministro, António Costa, do país, para participar na cimeira sobre o clima, em Paris.

Questionado se poderá haver mais saídas do executivo, o número dois do Governo respondeu: “Não creio. O doutor Manuel Delgado é que entendeu que não tinha condições para prosseguir no Governo e nós evidentemente respeitamos esse entendimento e procedemos à sua substituição”.

A saída de Manuel Delgado, acrescentou, “não significa nem nenhuma alteração de política nem nenhuma alteração no essencial do trabalho da equipa do ministério da Saúde, sob a direção do ministro Adalberto Campos Fernandes”.

À pergunta se a saída do governante teve a ver com a polémica relacionada com a instituição Raríssimas, Santos Silva apenas respondeu que “foi aceite” o pedido de Manuel Delgado para ser “libertado das suas funções”.

“Ninguém deve ser membro do Governo contrariado”, afirmou.

Segundo uma reportagem da TVI, emitida no sábado passado, Manuel Delgado foi contratado entre 2013 e 2014 pela associação Raríssimas, com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.

O secretário de Estado alegou então que se tratou de uma “colaboração técnica” com a associação Raríssimas e que nunca participou em decisões de financiamento.

O Presidente da República aceitou a proposta de nomeação de Rosa Matos Zorrinho para secretária de Estado da Saúde e vai dar posse à nova governante hoje, às 19:30, numa cerimónia no Palácio de Belém, em Lisboa.

Esta informação consta de uma nota colocada no portal da Presidência da República, na qual se lê que Marcelo Rebelo de Sousa “aceitou hoje as propostas do primeiro-ministro de exoneração, a seu pedido, do secretário de Estado da Saúde, Manuel Martins dos Santos Delgado, e de nomeação para o mesmo cargo da Dra. Rosa Augusta de Matos Zorrinho”.

“A tomada de posse tem lugar esta tarde, às 19.30, no Palácio de Belém”, refere a mesma nota.

O Governo divulgou hoje, através de um comunicado oficial, que o primeiro-ministro, António Costa, aceitou pedido de exoneração de Manuel Delgado do cargo de secretário de Estado da Saúde e propôs a nomeação para o seu lugar de Rosa Matos Zorrinho.

Relacionadas

Respostas Rápidas: O que se sabe sobre a mudança na secretaria de Estado da Saúde

Sai Manuel Delgado, entra Rosa Zorrinho. O antigo secretário de Estado da Saúde viu-se envolvido na polémica reportagem sobre a associação Raríssimas e será ainda hoje substituído.

Nova secretária de Estado “não faz prever nada de bom”, lamenta Ordem dos Médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a atual equipa que tutela o Ministério da Saúde “começa a ficar um bocado a prazo”, entendendo que a nova secretária de Estado “não faz prever nada de bom”.

Rosa Zorrinho substitui Manuel Delgado na secretaria de Estado da Saúde

Na sequência da demissão de Manuel Delgado da secretaria de Estado da Saúde, já aceite pelo primeiro-ministro, Rosa Zorrinho vai assumir o cargo e ainda hoje irá tomar posse.

Rosa Zorrinho: Quem é a nova secretaria de Estado da Saúde

Com um longo percurso ligado à saúde, Rosa Zorrinho vai substituir o demissionário Manuel Delgado.

Raríssimas: Secretário de Estado da Saúde demite-se

Jornal Público adianta na sua edição online que Manuel Delgado está de saída do Governo.
Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão
Comentários