Manuel Pinho crítica Justiça portuguesa. “É a chamada Justiça totoloto”

Sobre a mulher, que também foi constituída arguida no caso EDP, Manuel Pinho considerou-a “uma mulher fantástica que passou por um momento muito difícil”.

1 – Manuel Pinho

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho criticou a justiça portuguesa em entrevista ao jornal “Expresso” citada pela “SIC”, considerando que as decisões oscilavam consoante os juízes destacados.

“O que sei é que a situação é a seguinte: vai-se parar a um juiz e sabe-se que a decisão é uma, vai-se parar a outro juiz a decisão é outra. Até o meu caso mostra que se fosse no princípio de dezembro a situação é uma, mas como é no final de dezembro a decisão é outra. Portanto, é a chamada justiça totoloto”, referiu Manuel Pinho, acrescentando que “uma justiça totoloto não é uma Justiça justa”.

Durante a mesma entrevista Manuel Pinho, indiciado por fraude fiscal e branqueamento de capitais, negou ter recebido dinheiro do Banco Espírito Santo ou Grupo Espírito Santo, como também rejeitou a ideia de ter favorecido a EDP.

O antigo governante referiu ter “uma imagem a defender”, mas também um legado.  “A imagem que tenho para defender é a imagem junto dos meus filhos e dos meus formidáveis alunos. O legado que eu tenho defender é o legado das energias renováveis que são as energias do futuro”, sublinhou Manuel Pinho.

Sobre a mulher, que também foi constituída arguida no caso EDP, Manuel Pinho considerou-a “uma mulher fantástica que passou por um momento muito difícil”. “A minha mulher foi fenomenal na sessão que teve no Ministério Público muito inteligente, respondeu a todos os pontos”, completou.

Manuel Pinho está em prisão domiciliária depois de ter sido detido na terça-feira, após interrogatório. O Ministério Público aplicou uma caução de seis milhões devido ao perigo de fuga, sendo que o antigo ministro tem uma casa na Espanha.

 

Recomendadas

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.

Ministra da Defesa ouvida no parlamento dia 11 de outubro sobre ciberataque

A ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, vai ser ouvida no parlamento no próximo dia 11 de outubro, à porta fechada, sobre o ciberataque que levou à exfiltração de documentos classificados da NATO, a requerimento do PSD.
Comentários