Maquinistas da Deutsche Bahn protagonizam greve histórica

Os transportes ferroviários da Alemanha estão a ser afetados hoje por uma greve, sem precedentes, levada a cabo pelos maquinistas da Deutsche Bahn, que deve durar até segunda-feira. A paralisação afetou especialmente os serviços regionais e suburbanos na hora em que a maioria dos alemães se preparava para ir para o trabalho. Os grevistas do […]

Os transportes ferroviários da Alemanha estão a ser afetados hoje por uma greve, sem precedentes, levada a cabo pelos maquinistas da Deutsche Bahn, que deve durar até segunda-feira.

A paralisação afetou especialmente os serviços regionais e suburbanos na hora em que a maioria dos alemães se preparava para ir para o trabalho.

Os grevistas do sindicato GDL (Gewerkschaft Deutscher Lokomotivführer) alargaram, como previsto, a paralisação ao tráfego de passageiros, depois de na quarta-feira a greve ter visado os comboios de mercadorias.

Em Berlim, apenas um terço dos comboios urbanos estava a circular nas primeiras horas de hoje, provocando engarrafamentos maiores do que o normal.

Os utilizadores foram avisados da greve, a mais longa em 20 anos, pelo que a maior parte pôde arranjar uma alternativa de transporte.

Em Renânia do norte de Vestefália (oeste), a região mais populosa da Alemanha, junto a Colónia e Dusseldórfia, o tráfego regional foi igualmente muito afetado.

Na Baviera (sul), pelo menos 50% dos comboios regionais foram suprimidos, segundo a Deutsche Bahn. Em Munique, segunda maior cidade, os comboios, circulava um por hora.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.