Mar português já pesa 3% no PIB

A economia do mar cresceu e já tem um peso de 3% no Produto Interno Bruto (PIB) português, adiantou, em Londres, a ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas. No ano passado, a ministra tinha referido que o peso desta área económica no PIB nacional tinha evoluído nos últimos três anos de 2,4 para […]

A economia do mar cresceu e já tem um peso de 3% no Produto Interno Bruto (PIB) português, adiantou, em Londres, a ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas.

No ano passado, a ministra tinha referido que o peso desta área económica no PIB nacional tinha evoluído nos últimos três anos de 2,4 para 2,7% e hoje revelou que atualmente se deverá situar nos 3%.

Para este desempenho contribuíram as “taxas de crescimento muito elevadas da indústria conserveira”, destacou, durante uma apresentação da Estratégia Nacional do Mar para representantes de instituições e empresas britânicas do setor.

A ministra admitiu à agência Lusa que atingir a meta de 4% em 2020 é uma “estimativa conservadora”, mas que também é “um objetivo realista”, porque depende da progressão do resto dos outros setores da economia portuguesa.

A economia do mar inclui, nomeadamente, atividades ligadas à pesca, aquacultura e transformação do pescado, construção e reparação naval, turismo e lazer, extração de sal marinho, biotecnologia marinha, extração de recursos geológicos não energéticos, exploração e produção de petróleo e gás e energias renováveis.

A apresentação, que decorreu na embaixada de Portugal na capital britânica, faz parte de um roteiro internacional iniciado em 2013 junto de países considerados exemplos mundiais na área da economia do mar para atrair investimento estrangeiro, que começou pela Noruega e passou pelos EUA, Alemanha, Noruega, Japão, Coreia do Sul e Canadá.

Estão também previstas viagens à Dinamarca e à China, onde esta temática será promovida em paralelo com a participação em duas feiras alimentares.

Assunção Cristas admitiu que é difícil captar investimento estrangeiro para a economia do mar, porque inclui atividades de grande risco e pouco retorno a curto e médio prazo.

“Portugal tem muitos recursos e potencial, mas esta é uma área que precisa de muito capital e muito do que há para fazer ainda está por descobrir”, reconheceu.

Por outro lado, enfatizou, há falta de recursos financeiros das empresas portuguesas e do próprio Estado, o que aumenta a necessidade de investimento estrangeiro.

“Ao Governo cabe apenas um papel de regulador e dinamizador”, resumiu.

Dos contactos feitos hoje em Londres, a ministra falou de um maior interesse nos recursos biológicos e minerais e em oportunidades nas energias renováveis e na construção naval, referindo que cada país tem prioridades diferentes.

“Na Alemanha só perguntaram sobre a extensão da plataforma continental, no Japão de aquacultura”, descreveu à Lusa.

Em estudo está um regresso ao Reino Unido, desta vez à Escócia, para tentar interagir com empresas ligadas à aquacultura estabelecidas no país.

Recomendadas

Dormidas de brasileiros em Portugal disparam 748% até julho

O número de dormidas de brasileiros em Portugal disparou 748% entre janeiro e julho deste ano, para 1,2 milhões, refletindo uma forte recuperação depois de dois anos de pandemia, segundo dados da AICEP, cedidos à Lusa

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.