Maradona homenageia Fidel Castro

“Ele era como um segundo pai para mim”, lamenta Maradona, o astro do futebol e amigo do líder cubano.

“Morreu o maior! Era o maior porque sabia tudo, antecipava as coisas e dava ao povo o que o povo merecia”, declarou o ex-futebolista Diego Maradona, de 56 anos, ao lamentar a morte de seu amigo íntimo Fidel.

Maradona chegou a viver em Cuba, onde se submeteu a um tratamento por causa das drogas. “Estou terrivelmente triste, porque ele era como um segundo pai para mim”, afirmou em Zagreb, onde está a assistir à final da Taça Davis em ténis entre a Croácia e a Argentina.

Recomendadas

Ucrânia: Forças ucranianas recuperam controlo de cidade de Kupiansk

Parte da zona naquela região já tinha sido retomada aos russos no início de setembro, graças à contraofensiva ucraniana na região de Kharkiv.

Banco Popular da China pede aos bancos para suportarem a moeda chinesa nos mercados internacionais

A China pediu aos seus bancos que se preparem para socorrer o yuan, face à crescente agitação provocada pela valorização do dólar face ao yuan, face ao euro e face à libra, avança o El Economista.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.
Comentários