Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.

Miguel A. Lopes / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que a autonomia do Ministério Público (MP) é “indiscutível” e “fundamental no combate à corrupção”, na sequência do aviso de greve do Sindicato dos Magistrados do MP.

“O Ministério Público, pela Constituição, tem autonomia. Isso é indiscutível, não pode estar em discussão nunca. Essa autonomia significa nomeadamente autonomia numa das tarefas fundamentais do Ministério Público que é o combate à corrupção, uma prioridade nacional”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas em Cascais.

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa só uma “revisão da Constituição” permitirá alterar a composição dos conselhos superiores do Ministério Público.

“Uma das questões que tenho visto ser debatida é a questão do peso dos magistrados e políticos nos Conselhos Superiores do Ministério Público, no Conselho Superior da Magistratura judicial, ora isso é inalterável a menos que se reveja a Constituição. Não é possível por lei estar a alterar”, esclareceu o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou ainda que “não haverá revisão da Constituição” em 2019 por se tratar de um ano eleitoral.

“Queria tornar claros três pontos: a autonomia do Ministério Público é intocável na Constituição; o combate à corrupção é uma prioridade nacional e o mexer na composição dos Conselhos Superiores dos Magistrados, quer juízes quer magistrados do Ministério Público, passaria sempre pela revisão da Constituição que é uma realidade que pela natureza das coisas não haverá no ano que vem”, afirmou.

O Presidente da República falava aos jornalistas à saída do Natal dos Hospitais, no Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão, em Cascais, onde teve oportunidade de se dirigir também aos “portugueses que mais precisam de conforto nesta época do ano”.

Relacionadas

Sindicato dos Magistrados do Ministério Público marca greve

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público decretou hoje uma greve para o início de fevereiro contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.
Recomendadas

Prisão preventiva para 31 dos 35 arguidos suspeitos de tráfico de pessoas no Alentejo

Carlos Alexandre determinou a prisão preventiva para 31 arguidos, oito dos quais com possibilidade de ficar em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, caso o relatório do DGRSP seja favorável.

Primeiro-ministro reafirma prioridade do Governo no combate à violência doméstica (com áudio)

O primeiro-ministro, António Costa, reafirmou a “prioridade do Governo” no combate à violência doméstica, sublinhando o “reforço de verbas” no OE 2023. A GNR lança esta sexta-feira uma campanha de combate ao flagelo.

PremiumCâmara de Caminha paga 20 mil euros para parecer sobre decisão já tomada

Negócio para centro de exposições, que não existe, já custou ao erário público cerca de 400 mil euros: adiantamento de 369 mil e agora mais 20 mil para parecer após rescisão contratual.
Comentários