Marcelo aguarda nomeação de substituto de Marta Temido (com áudio)

Marcelo tomou conhecimento da demissão de Temido ao “início do dia de hoje”.

Marcelo Rebelo de Sousa revelou esta terça-feira que foi informado pelo primeiro-ministro sobre a demissão da ministra da Saúde Marte Temido.

“O Presidente da República foi informado pelo Primeiro-Ministro, no início do dia de hoje, da intenção da Ministra da Saúde, Marta Temido, de cessar as suas funções, posição essa que aceitava”, segundo nota da Presidência da República.

Belém aguarda agora pela “formalização do pedido de exoneração, bem como da proposta de nomeação de novo titular”.

Marta Temido apresentou de madrugada a demissão por entender que “deixou de ter condições” para exercer o cargo, que foi aceite pelo primeiro-ministro, António Costa. A decisão surge numa altura em que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a ser alvo de críticas por falta de capacidade de resposta e depois de morrer uma utente grávida após ter sido transportada do Hospital de Santa Maria para o Hospital São Francisco Xavier. Em causa estava uma falta de vagas no serviço de Neonatologia.

Relacionadas

Demissão de Temido não se deveu a morte de grávida, diz bastonário da Ordem dos Médicos

Miguel Guimarães especula que a ministra tenha apresentado a demissão “por não ter uma alternativa”, e espera que mudança de ministro signifique mudança de política.

Demissão Marta Temido. PSD afirma que decisão é tardia e não muda nada (com áudio)

“Infelizmente, foi preciso que morresse uma mãe que não teve acesso às urgências no maior hospital do país, para que a ministra se demitisse e para que António Costa tomasse uma decisão”, afirmou em conferência de imprensa o vice-presidente do PSD, Miguel Pinto Luz.
médicos

FNAM diz que saída da ministra da Saúde não surpreende

O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Noel Carrilho, considerou hoje que a demissão de Marta Temido “não surpreende”, mas destaca que agora chegou a hora de avançar e encontrar soluções para os problemas do sector.

Demissão de Marta Temido “releva necessidade de uma outra política na área da saúde”, diz PCP

Nova política para o SNS passa “pela valorização dos seus profissionais de saúde e pelo reforço da sua capacidade de resposta”, defendem os comunistas em comunicado.

BE. “Esta tragédia não define o SNS nem os profissionais de saúde”

A dirigente do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, comentou a demissão apresentada pela ministra da Saúde Marta Temido na madrugada desta terça-feira, reiterando que “esta tragédia não define o Serviço Nacional de Saúde (SNS) nem os profissionais de saúde” e também não “permite generalizações”.

Demissão Marta Temido. “Ficamos sem saber se se demite uma ministra ou se se acaba uma política”, diz IL

“Neste sentido, não é possível dizer se esta demissão é uma boa ou uma má notícia para aqueles portugueses que não têm alternativa senão recorrer aos serviços públicos de saúde”, afirma Cotrim de Figueiredo em comunicado.
Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários