Marcelo defende que Forças Armadas são insubstituíveis e não um “luxo do presente”

O Presidente da República defendeu hoje que as Forças Armadas são insubstituíveis para construir a paz, papel que todos deveriam compreender, negando que estas sejam um “pergaminho do passado” ou um “luxo do presente”.

Rodrigo Antunes/Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa discursava na cerimónia de entrega das espadas aos novos oficiais do Exército, na Academia Militar, no destacamento da Amadora, em Lisboa.

Falando para os 39 novos oficiais do Exército, Marcelo salientou que a caminhada destes militares é iniciada “em tempo de guerra”, que “não é apenas europeia mas é uma verdadeira guerra global”.

“Tempo em que todos entendem, ou deviam entender como nunca, porque é que tão insubstituíveis são as Forças Armadas. Para fazerem a paz, para evitarem a guerra”, defendeu.

O Comandante Supremo das Forças Armadas sublinhou que “de cada vez que cada mulher ou homem, por esse mundo fora, sente na sua pele a subida dos preços, o custo da energia, a situação dos bens alimentares, é impossível não entender que além de tudo o resto é a guerra que agrava as suas condições de vida”.

“A urgência de construir a paz torna cada vez mais evidente o papel único das Forças Armadas. Elas não são um pergaminho do passado, elas não são um resquício da tradição, elas não são um luxo do presente. Elas não são um encargo dispensável do futuro”, salientou.

O chefe de Estado destacou a importância das Forças Armadas para a construção da paz.

“Para evitarem as guerras, todas elas, e em particular as mais chocantes na violação dos princípios do Direito entre as nações. Para as travarem depois de desencadeadas, para construírem a paz, e ao mesmo tempo, para proporcionarem a sua experiência no contacto com o povo no território nacional, em especial em momentos de maiores provações, para tudo isso as Forças Armadas são insubstituíveis”, vincou.

Recomendadas

ISP: “Medida injusta e mesquinha”. Saiba o que dizem os partidos sobre os ajustes do Governo

Os partidos com representação parlamentar demonstram-se contra a posição tomada pelo Executivo de António Costa relativamente ao ISP.

Eutanásia. PSD justifica referendo com “caminho de não retorno” em matéria de “interesse nacional”

O projeto de resolução do PSD de referendo sobre a despenalização da eutanásia, hoje revelado, defende a consulta popular por considerar que está em causa “uma questão de relevante interesse nacional” que implica “um caminho de não retorno”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários