Marcelo deseja “melhor Natal possível” e pede que portugueses não desesperem

Na sua mensagem natalícia, Marcelo apontou que o ano de 2020 foi “muito sofrido, um ano muito doloroso, um ano de agravamento de desigualdades, um ano que aponta para um prolongamento de muitos padecimentos no futuro imediato, mas também portador de esperança”.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa desejou o “melhor Natal possível” e pediu aos portugueses que não desesperassem e confiassem na democracia, portadora de esperança.

Na sua mensagem natalícia dirigida aos líderes parlamentares, Marcelo apontou que o ano de 2020 foi “muito sofrido, um ano muito doloroso, um ano de agravamento de desigualdades, um ano que aponta para um prolongamento de muitos padecimentos no futuro imediato, mas também portador de esperança”.

“A Assembleia da República por definição é [sinonimo de esperança], e o Presidente da República tenta sê-lo, é um órgão portador de esperança. Os portugueses não podem desesperar , mesmo nas piores circunstancias e estas são particularmente difíceis, não vale a pena negá-lo”, confessou o Chefe de Estado que desejou “o melhor Natal possível”. “Não é o Natal ideal, está muito longe disso e o melhor ano de 2021 possível”, completou.

Quanto ao estado de emergência, o Presidente sublinhou que este “não é um estado à margem da constituição, não é um estado anti democrático. Não é um estado comportado pela constituição e que integra em situações excecionais a resposta da democracia em situações e problemas que eles próprios são excecionais

Nesta matéria, Marcelo considerou que “a Assembleia da República nunca se demitiu da sua função, nunca deixou de funcionar, de intervir no debate sobre a declaração de emergência e as suas renovações”.

“Nunca deixou de se preocupar com a busca de novas soluções por ventura constitucionais dirão os senhores deputados, por ventura legais que prevejam aquilo que não era previsto quando nós constituintes votamos a constituição em 1976, situações que eram situações de emergência , mas emergência mto especifica no caso de emergência sanitária embora com consequências económicas e sociais”, destacou o Presidente da República.

“Para o Presidente da República, foi tão importante a cooperação institucional com a Assembleia da República, pelo seu papel central ao longo deste ano”, enalteceu Marcelo reforçando que “a Assembleia da República é portadora de esperança, a democracia é portador de esperança ao contrário da ditadura, a ditadura é portadora da autoridade e da falsa esperança”.

Relacionadas

Marcelo admite que portugueses foram enganados sobre vacina da gripe e pede que não se eleve expectativas com vacina da Covid

“Reconheci que disse baseado naquilo que era a convicção da senhora ministra da saúde que ela própria também não esperava aquele movimento que existiu”, frisou Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a vacina da gripe.
Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa: “Não posso discriminar os deputados e eleitores de um partido”

Presidente da República voltou a dizer que daria posse a um governo que contasse com participação ou apoio parlamentar do Chega, mas não antevê que haja eleições legislativas antecipadas.

Marcelo Rebelo de Sousa: “O candidato só pode e deve dizer aquilo que pode e deve dizer enquanto Presidente da República que é”

Chefe de Estado recusou-se a dizer, em entrevista à TVI, se considera que Eduardo Cabrita tem condições para ficar no Governo. E disse que a maior diferença em relação à saída de Constança Urbano de Sousa aquando dos incêndios florestais de 2017, é que “não tem conhecimento de um pedido ou proposta de exoneração do ministro da Administração Interna”.
Recomendadas

Raimundo reafirma PCP como partido dos trabalhadores e de protesto que não está parado no tempo

Paulo Raimundo falava no final de um almoço/comício da campanha “Faz das injustiças força para lutar! – mais salários e pensões, saúde e habitação”, que reuniu cerca de 300 pessoas no Centro Recreativo e Cultural do Boquilobo, no concelho de Torres Novas, no distrito de Santarém.

Extrema-direita espanhola na rua contra fim de crime de sedição que condenou independentistas

O parlamento espanhol aprovou na quinta-feira, numa primeira votação, uma proposta dos partidos no governo em Espanha (socialistas e extrema-esquerda da Unidas Podemos) de revisão do Código Penal que suprime o delito de sedição, que levou à prisão independentistas catalães.

Carlos Moedas serve mais um jantar à direita ibérica na Câmara

Carlos Moedas recebeu os “jotas” do PSD e do PP espanhol para um jantar servido na sala de arquivo da CML. Os custos foram assumidos pela autarquia, apurou o semanário Novo.
Comentários