Marcelo desvaloriza divergências entre Costa e Centeno sobre orçamento da zona euro

Para o chefe de Estado, “cada um cumpre a sua missão”, salientando que o ministro das Finanças português pertence ao Eurogrupo e “nesse grupo ele não é, obviamente, insensível à posição de Portugal, mas há maiorias que se formam”.

Twitter

O Presidente da República desvalorizou hoje as alegadas divergências entre o primeiro-ministro e o ministro das Finanças sobre o orçamento da zona euro, por considerar que Costa defendeu a posição portuguesa enquanto Centeno foi porta-voz do Eurogrupo.

Falando aos jornalistas à margem de um almoço com pessoas em situação de sem-abrigo, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa apontou que “o ministro das Finanças português pertence a um grupo dos ministros das Finanças dos países com euro”, o Eurogrupo, e “nesse grupo ele não é, obviamente, insensível à posição de Portugal, mas há maiorias que se formam, e a maioria que se formou foi uma maioria favorável a uma solução que não é a melhor para Portugal”.

“Ele como porta-voz – o presidente é o porta-voz – tem de expor o resultado da opinião maioritária dos ministros das Finanças, mesmo que não concorde”, afirmou o Presidente, salientando que, por outro lado, “o primeiro-ministro, esse, está totalmente livre para defender a posição portuguesa”.

Para o chefe de Estado, “cada um cumpre a sua missão”.

“Mas não é que o ministro das Finanças não pense exatamente o que pensa o primeiro-ministro [mas] quando ele diz ‘os ministros da zona euro pensam isto’, é o que a maioria pensa”, assinalou Marcelo, ressalvando que o que a maioria pensa “não é o que Portugal defende, que é o que convém aos mais ricos, não convém aos que são menos ricos com Portugal, é simples”.

No sábado, o primeiro-ministro afirmou não existir “qualquer divergência” entre si e o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, e salientou que o Governo português tem estado “mobilizado ativamente” em torno do orçamento da zona euro.

“Não há qualquer divergência entre mim e o MEF [ministro de Estado e das Finanças] Mário Centeno”, escreveu António Costa na sua conta oficial na rede social Twitter.

“Ontem [sexta-feira], Mário Centeno, como lhe compete, apresentou a proposta do Eurogrupo e eu, como me compete, expressei a já conhecida posição nacional. Os trabalhos prosseguirão para termos o orçamento que a zona euro precisa”, escreveu também o primeiro-ministro.

O chefe do Governo argumenta que “a criação de um orçamento da zona euro é essencial e tem mobilizado ativamente” o seu executivo.

“Foi dado um passo importante em outubro com a aprovação de uma proposta no Eurogrupo, que pode e deve ser agora melhorada no CE [Conselho Europeu]”, assinalou.

Na sexta-feira, em Bruxelas, o primeiro-ministro tinha admitido divergências com Centeno, que é também presidente do Eurogrupo, sobre o orçamento da zona euro, devido à “fórmula mal desenhada” deste instrumento, mas afastou “constrangimentos”.

“Não há nenhum constrangimento entre o primeiro-ministro de Portugal e o presidente do Eurogrupo, visto que ao primeiro-ministro de Portugal compete representar os portugueses e os seus interesses e ao presidente do Eurogrupo compete representar a vontade geral do Eurogrupo”, declarou António Costa, falando aos jornalistas no final de uma cimeira do euro, em Bruxelas, na qual foi discutido o instrumento orçamental para a convergência e competitividade da zona euro (BICC, na sigla inglesa).

Negando mal-estar com Centeno, Costa realçou que “não é a primeira vez que entre Portugal e o Eurogrupo não existe uma posição conjunta”.

No sábado, o jornal Expresso noticiou que o assunto motivou uma discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu.

Relacionadas

António Costa garante que não existe “qualquer divergência” com Mário Centeno

Na rede social Twitter, Costa frisou ainda que o Governo está “mobilizado ativamente” em torno da criação do primeiro orçamento da história da União Europeia para a zona euro.

Orçamento da zona euro gera discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu

O primeiro orçamento para a zona euro foi debatido na última reunião do Conselho Europeu. Entre líderes, António Costa teve uma “discussão direta” com o seu ministro das Finanças, que enquanto presidente do Eurogrupo trabalhou em sentido contrário às pretensões do primeiro-ministro de Portugal.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários