Marcelo diz que Desmond Tutu foi “uma das grandes figuras do século XX”

Numa nota publicada no ‘site’ da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa recorda o vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 como um “lutador maior pela justiça social, direitos humanos, liberdade e pluralismo na África do Sul” e salienta que “deixa um legado para toda a humanidade”.

TIAGO PETINGA/LUSA

O Presidente da República considera que o arcebispo emérito sul-africano Desmond Tutu, que morreu hoje aos 90 anos, foi “uma das grandes figuras do século XX” e “deixa um legado para toda a humanidade”.

Numa nota publicada no ‘site’ da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa recorda o vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 como um “lutador maior pela justiça social, direitos humanos, liberdade e pluralismo na África do Sul” e salienta que “deixa um legado para toda a humanidade”.

“Desmond Tutu foi uma das grandes figuras do século XX. Um século maldito em tantos aspetos, mas com marcos de superação e exemplos de humanismo que prevalecem nas nossas memórias. Cabe a todos nós, líderes do século XXI, sabermos preservar as lições intemporais que gigantes pela paz, como o arcebispo Tutu, nos deixaram”, defende.

O Presidente da República assinala também “a sua coragem contra o Apartheid” que “correu os quatro cantos do mundo, reconhecimento que lhe valeu o Prémio Nobel da Paz em 1984”.

“As marchas pacíficas que liderou mudaram mentalidades e tocaram fundo as consciências internacionais, a sua liderança na Comissão de Verdade e Reconciliação permitiu à nova democracia sul-africana uma amplitude moral e inclusiva, onde se integrava também a comunidade portuguesa, cuja consolidação resultava já do peso histórico pelo exemplo de Nelson Mandela”, salienta.

Na mesma nota, o chefe de Estado indica que “neste dia de tristeza e de saudade”, envia as “mais sentidas condolências” em seu nome e de “todos os portugueses” ao Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, bem como ao “povo amigo da África do Sul”.

Desmond Tutu, arcebispo emérito sul-africano e vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 pelo seu ativismo contra o regime de segregação racista do Apartheid, morreu hoje aos 90 anos, anunciou o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

O arcebispo anglicano estava debilitado há vários meses, durante os quais não falou em público, mas ainda cumprimentava os jornalistas que acompanhavam cada uma das suas saídas recentes, como quando foi tomar a sua vacina contra a covid-19 num hospital ou quando celebrou os seus 90 anos em outubro.

Desmond Tutu ganhou notoriedade durante as piores horas do regime racista na África do Sul, quando organizava marchas pacíficas contra a segregação, enquanto sacerdote, pedindo sanções internacionais contra o regime branco em Pretória.

Com o advento da democracia, 10 anos depois, o homem que deu à África do Sul o nome de “nação arco-íris” presidiu à Comissão de Verdade e Reconciliação criada com o objetivo de virar a página sobre o ódio racial, mas as suas esperanças foram rapidamente frustradas. A maioria negra adquiriu o direito de voto, mas continua em grande parte pobre.

Depois do combate ao apartheid, Tutu empenhou-se na reconciliação do seu país e na defesa dos direitos humanos.

Contra a hierarquia da igreja anglicana, defendeu os homossexuais e o direito ao aborto, tendo nos últimos anos aberto como nova frente de combate o direito ao suicídio assistido.

Recomendadas

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.

GP da China de Fórmula 1 de 2023 cancelado devido à covid-19

Numa nota publicada no sítio oficial na internet do campeonato, a Fórmula 1 anunciou que, “após um diálogo com o promotor [local] e as autoridades”, o GP da China de 2023 “não se realizará devido a dificuldades criadas pela situação da covid-19”.

Espanha avisa parceiros e Bruxelas de que cartas armadilhadas podem estar ligadas à Ucrânia

Numa carta enviada aos Estados-membros da União Europeia (UE) e a Bruxelas, Fernando Grande-Marlaska avisa que as seis cartas armadilhadas endereçadas ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, às embaixadas da Ucrânia e dos Estados Unidos, entre outras entidades, “podem estar relacionadas com a invasão da Ucrânia pela Rússia”.
Comentários