Marcelo diz que “somos quase todos ucranianos” perante posição do PCP

O PCP não compareceu na sessão solene na Assembleia da República com a presença do presidente da Ucrânia, na quinta-feira, por videoconferência, por considerar que Volodymyr Zelensky “personifica um poder xenófobo e belicista”.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que “somos quase todos ucranianos” relativamente à guerra no leste da Europa, quando questionado sobre a posição do PCP, e aproveitando para corrigir uma afirmação anterior. O partido não participou na sessão solene na Assembleia da República com a presença do presidente da Ucrânia.

Começando por dizer aos jornalistas, em São João da Madeira (distrito de Aveiro) que não comenta “posições partidárias,” nem sobre temas internos nem sobre temas internacionais, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a sessão parlamentar em que interveio o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky visou o povo ucraniano.

“A Assembleia da República, ao tomar esta iniciativa, não tomou certamente para olhar apenas para um homem, por muito importante e decisivo que ele seja, mas para um povo”, disse hoje aos jornalistas, à margem da cerimónia do centenário da Santa Casa da Misericórdia sanjoanense.

Frisando que foi essa a sua posição na nota publicada pela Presidência após a sessão parlamentar, Marcelo Rebelo de Sousa acabou por fazer um reparo à mesma.

“Disse ‘somos todos ucranianos’. Se quiser eu posso corrigir, somos quase todos ucranianos, há alguns que não são, mas a maioria esmagadora dos portugueses pensa aquilo que pensa o Presidente da República”, acrescentou.

O chefe de Estado português disse ainda que a Assembleia da República, o primeiro-ministro e o Governo comungam da mesma posição. “Neste momento a luta dos ucranianos é uma luta nossa, dos portugueses”, concluiu, tendo já anteriormente lembrado que aplaudiu o discurso de Volodymyr Zelensky no parlamento.

O PCP não compareceu na sessão solene na Assembleia da República com a presença do presidente da Ucrânia, na quinta-feira, por videoconferência, por considerar que Volodymyr Zelensky “personifica um poder xenófobo e belicista”. Mais tarde, a líder parlamentar comunista, Paula Santos, considerou que a referência do Presidente ucraniano ao 25 de Abril de 1974 foi “um insulto”.

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários