Marcelo e Santos Silva representam Portugal no bicentenário da independência do Brasil (com áudio)

Marcelo Rebelo de Sousa desloca-se ao Brasil a convite do homólogo, Jair Bolsonaro, por quem será recebido hoje no Palácio Itamaraty, pouco depois da chegada a Brasília.

8 – Brasil

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, vão representar Portugal nas comemorações do bicentenário da independência do Brasil durante esta semana.

Marcelo Rebelo de Sousa desloca-se ao Brasil a convite do homólogo, Jair Bolsonaro, por quem será recebido hoje no Palácio Itamaraty, pouco depois da chegada a Brasília.

Augusto Santos Silva, a segunda figura do Estado português, estará em Brasília a convite do presidente do Senado Federal brasileiro, Rodrigo Pacheco.

O programa do chefe de Estado português, que viaja hoje de Lisboa para a capital brasileira, começa com um curto encontro bilateral com Jair Bolsonaro, pelas 18:30 (22:30 em Lisboa), com duração prevista de 15 minutos.

Segundo a Presidência da República Portuguesa, o Presidente do Brasil irá receber no mesmo formato os outros chefes de Estado de países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) presentes em Brasília.

A seguir, o chefe de Estado português irá visitar uma exposição sobre D. Pedro I do Brasil e IV de Portugal, no Itamaraty, e estará numa receção comemorativa do bicentenário da independência do Brasil, nos jardins do palácio.

As comemorações do bicentenário da independência do Brasil acontecem quando está em curso a campanha oficial para as eleições presidenciais brasileiras de 2 de outubro, com uma eventual segunda volta em 30 de outubro, às quais são candidatos, entre outros, Bolsonaro e o antigo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na quarta-feira, dia em que se assinala a proclamação da independência do Brasil em 1822, Marcelo Rebelo de Sousa assistirá ao desfile cívico-militar do 7 de Setembro, irá oferecer um almoço aos chefes de Estado e de Governo da CPLP na residência do embaixador de Portugal em Brasília e terá um encontro com a comunidade portuguesa nesta cidade.

À noite, o Presidente da República e o presidente da Assembleia da República estarão ambos num jantar oferecido pelo Presidente do Senado do Brasil, Rodrigo Pacheco.

Na quinta-feira, o bicentenário da independência do Brasil será celebrado numa sessão solene no Congresso Nacional, em que Marcelo Rebelo de Sousa irá discursar e na qual também estará presente Augusto Santos Silva.

O programa do chefe de Estado no Brasil termina com uma receção à comunidade portuguesa no Navio Escola Sagres, no Rio de Janeiro, na sexta-feira.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve no Brasil há dois meses, entre 2 e 4 de julho, com passagens pelo Rio de Janeiro, onde assinalou o centenário da primeira travessia aérea do Atlântico Sul, e por São Paulo, para a inauguração da Bienal do Livro, que na edição deste ano teve Portugal como país homenageado.

Estava previsto terminar essa visita em Brasília, com um almoço com o Presidente do Brasil, mas Jair Bolsonaro fez saber pela comunicação social que já não o iria receber, decisão que justificou com o facto de Marcelo Rebelo de Sousa se ter encontrado antes com Lula da Silva, em São Paulo.

Face à atitude de Bolsonaro, Marcelo Rebelo de Sousa começou por manter o programa, aguardando uma comunicação por escrito, e depois desistiu de ir a Brasília, mas sempre desdramatizando este episódio e o impacto nas relações bilaterais.

Ao mesmo tempo, deu como certo o regresso ao Brasil, em setembro, para as comemorações dos 200 anos da independência: “O Senado já convidou para eu ser o orador convidado. Mas vem comigo o presidente do parlamento português [Augusto Santos Silva], e virá comigo o Governo, para mostrar que os órgãos de soberania todos cá estarão nesse momento fundamental”, declarou, na altura.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários