Marcelo elogia Greta Thunberg mas recusa “tirar proveito” da sua passagem por Portugal

“A política não é isso. A política é verdadeiramente lutar pelas causas, e não tirar proveito pessoal das causas”, acrescentou o Presidente da República.

Cristina Bernardo

O Presidente da República elogiou hoje a jovem ativista ambiental sueca Greta Thunberg, descrevendo-a como “um símbolo de juventude, de futuro, de luta”, mas reiterou que recusa “tirar proveito político” da sua passagem por Portugal.

Em declarações aos jornalistas no Antigo Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa declarou-se “muito feliz” por Greta Thunberg poder estar “umas horas” em território português, “antes de ir para Madrid” para participar numa conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas.

“Num momento em que o mundo discute em Madrid aquilo que é um tema do presente e do futuro, é um sinal muito positivo termos entre nós um símbolo de juventude, de futuro, de luta por uma causa como são as alterações climáticas e o aquecimento global”, considerou.

Questionado se mantém a decisão de não se encontrar com a ativista de 16 anos, que se tornou conhecida por fazer greve às aulas em nome do clima, o chefe de Estado respondeu que sim, por não querer “dar a sensação” de que está “a querer tirar proveito político” da sua passagem por Portugal.

“A política não é isso. A política é verdadeiramente lutar pelas causas, e não tirar proveito pessoal das causas”, acrescentou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou que isso não significa que não esteja “feliz com uma causa” que é defendida por Greta Thunberg e assinalou que teve a oportunidade de a ouvir numa cimeira na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, em setembro.

O chefe de Estado, que falava à margem de uma sessão do programa “Desportistas no Palácio de Belém”, elogiou a forma como a jovem sueca “luta com determinação, de uma forma muito pessoal, muito empenhada e tentando dar o exemplo daquilo que defende”, percorrendo o mundo “por um meio que respeita o ambiente”.

Já no domingo à noite o Presidente da República tinha dito que não iria cumprimentar Greta Thunberg na sua chegada à Doca de Alcântara, em Lisboa, argumentando que isso poderia “ser considerado aproveitamento político”.

Greta Thunberg cruzou o Atlântico num catamarã, para evitar os aviões devido à sua carga poluente, e chegou a Lisboa hoje de manhã, depois de 21 dias no mar.

Na Doca de Alcântara, foi recebida pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e pelo presidente da Comissão de Ambiente da Assembleia da República, José Maria Cardoso, entre outros dirigentes políticos, e por jovens ativistas portugueses.

Relacionadas

Greta Thunberg já chegou a Lisboa: “Não vou parar. Nenhum país do mundo está a fazer o suficiente”

De Lisboa, a jovem ativista vai para Madrid para participar na cimeira do clima COP 25, organizada pelas Nações Unidas, onde o mundo vai se reunir para debater as alterações climáticas.

“É importante amplificar a voz da Greta no combate às alterações climáticas”, afirma líder do PAN

Os partidos que integram a Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território estão presentes na Doca de Santo Amaro, em Alcântara, para receber a jovem Greta Thunberg em Lisboa. 

Jovens ativistas portugueses recebem Greta Thunberg: “Não existe plano B”

Enquanto espera pela embarcação ‘La Vagabonde’, os ativistas portugueses apelam ao boicote da utilização dos aviões devido às elevada quantidade de emissões de dióxido de carbono.

Para chegar a Madrid, Greta vai ter de apanhar comboio a gasóleo

Apesar de a maioria do percurso entre as duas capitais ibéricas estar eletrificado, existe ainda um troço de 100 quilómetros que vai ter de ser feito com uma locomotiva a gasóleo.

Greta chega hoje a Lisboa. Conheça as polémicas da jovem ativista

Lisboa e Nova Iorque estão separadas por 21 dias, à velocidade de cruzeiro do ‘La Vagabonde’, onde a jovem ativista de 16 anos se encontra. Greta Thunberg chega esta terça-feira a Lisboa.
Recomendadas

Moreira da Silva considera lamentável a presença do PSD na convenção do Chega

O ex-dirigente social-democrata Jorge Moreira da Silva lamentou este domingo a presença do PSD na sessão de encerramento da V Convenção Nacional do Chega, em Santarém, considerando que normaliza um “partido racista”.

Maiorias absolutas podem muito pouco contra maiorias sociais, diz Catarina Martins

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu este domingo que as maiorias absolutas “podem muito pouco contra maiorias sociais”, acusando o executivo de uma “absoluta arrogância de quem não ouve o país”.

JPP/Madeira vai denunciar à PGR declarações sobre ‘obras inventadas’ na região

O JPP/Madeira anunciou este domingo que vai apresentar uma queixa à Procuradoria-geral da República relacionada com as declarações do ex-deputado do PSD Sérgio Marques as alegadas ‘obras inventadas’ na região.
Comentários