Marcelo elogia “rapidez da justiça” e decisão de Miguel Alves de se demitir

O Presidente da República elogiou hoje a “rapidez da justiça” no caso de Miguel Alves e a decisão do secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro de se demitir perante a acusação do Ministério Público.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, no fim de uma visita ao Bazar Diplomático, no Centro de Congressos de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa não quis pronunciar-se sobre a opção do primeiro-ministro, António Costa, de nomear Miguel Alves para o Governo sabendo que era arguido.

“Eu não vou comentar aquilo que entretanto está definido pela intervenção atempada da justiça”, declarou o chefe de Estado, observando: “Normalmente se diz em Portugal que a justiça é muito lenta, este é um exemplo de como a justiça não foi lenta e agiu muito rapidamente”.

“E eu penso que nesta realidade estiveram bem quer a justiça quer o titular governativo, que percebeu que devia tomar a decisão que devia”, acrescentou, referindo-se ao pedido de demissão apresentado por Miguel Alves após ser acusado pelo Ministério Público do crime de prevaricação por atos cometidos enquanto presidente da Câmara Municipal de Caminha.

Interrogado se o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro não devia ter saído do cargo mais cedo, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: “Não vou comentar isso, uma vez que o facto, contra o que é habitual noutras circunstâncias, ocorreu com uma rapidez da justiça, com uma rapidez da decisão do titular governativo”.

“É um daqueles casos que se suscitou e que foi decidido em menos de dez dias ou quinze dias”, realçou o Presidente da República.

Na quinta-feira, o Presidente da República aceitou a exoneração do secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, proposta pelo chefe do Governo, António Costa, depois de Miguel Alves lhe apresentar uma carta de demissão.

“Face à acusação deduzida pelo Ministério Público, e mesmo não tendo conhecimento dos seus termos e pressupostos, entendo não estarem reunidas as condições que permitam a minha permanência no Governo de Portugal”, justificou o governante na sua carta de demissão, divulgada pelo gabinete do primeiro-ministro.

Miguel Alves menciona que a acusação pelo Ministério Público, noticiada nesse mesmo dia pelo jornal Observador, foi confirmada pela procuradora-geral da República, Lucília Gago, após contacto da ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, e se refere “a factos ocorridos nos anos de 2015 e 2016” quando era presidente da Câmara Municipal de Caminha, no distrito de Viana do Castelo.

O dirigente socialista, que preside à federação do PS de Viana do Castelo, afirma-se “de consciência tranquila, absolutamente convicto da legalidade de todas as decisões” que tomou enquanto autarca e empenhado em defender-se “no local e tempo próprio da Justiça”.

Relacionadas

Ministério Público diz que Miguel Alves violou normas de contratação pública

O Ministério Público (MP) diz que o antigo presidente da Câmara de Caminha Miguel Alves violou normas de contratação pública, quando acordou com a empresária Manuela Couto a prestação de serviços de assessoria de comunicação para o município.

PremiumMiguel Alves não pediu a devolução de 300 mil euros de rendas

Incumprimento do contrato, por não aquisição do terreno pelo promotor para construir centro de exposições, devia ter levado à sua resolução e pedido de devolução do adiantamento de rendas pelo ex-autarca.

Demissão de Miguel Alves. “Ninguém está acima da lei”, refere António Costa (com áudio)

O primeiro-ministro reagiu ao pedido de demissão do seu secretário-adjunto na sequência da acusação de prevaricação por parte do Ministério Público.

Secretário de Estado Miguel Alves demite-se

O secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Miguel Alves, apresentou esta quinta-feira a sua demissão a António Costa. Em causa está uma acusação de prevaricação por parte do Ministério Público.

Montenegro acha “normalíssimo” que Marcelo peça explicações a Costa sobre Miguel Alves

O presidente do PSD disse hoje ser “normalíssimo” que o Presidente da República peça explicações ao primeiro-ministro sobre o secretário de Estado adjunto de Costa, que a está a ser investigado por uma decisão tomada quando era autarca em Caminha. 

Dirigente do PS diz que Miguel Alves não tem condições para se manter no Governo

Daniel Adrião afirma que o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro “já se devia ter demitido ou já devia ter sido demitido”. Dirigente do PS elogia Alexandra Leitão por ter a “coragem de dizer em voz alta o que muitos pensam”.

PSD pede audição de secretário de Estado Adjunto de Costa

O PSD vai pedir a audição do secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Miguel Alves, sobre um contrato-promessa que celebrou quando era presidente da Câmara de Caminha, que está a ser investigado pelo Ministério Público, foi hoje divulgado.
Recomendadas

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.

Eutanásia: Marcelo afirma que decidirá “rapidamente” e aponta para alturas do Natal

O Presidente da República garantiu hoje que decidirá rapidamente sobre a lei da despenalização da morte medicamente assistida, que deverá ser aprovada sexta-feira no parlamento, quando receber o documento, apontando a altura do Natal como data provável.

Lisboa aprova orçamento municipal para 2023 com abstenção de PS, IL e PAN

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou a proposta de orçamento para 2023, com votos a favor de PSD, CDS-PP, MPT, PPM e Aliança, a abstenção de PS, PAN e IL e os votos contra dos restantes deputados.
Comentários