Marcelo espera que sindicatos dos médicos e Governo cheguem a acordo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira esperar que os sindicatos dos médicos e o Governo cheguem a acordo nas negociações das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Eu acho que a interlocução tem de ser, obviamente, entre o Governo e os sindicatos. (…) É um problema de sindicatos, laboral, e do Governo. Espero que cheguem a acordo”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Castanheira de Pera, distrito de Leiria.

O chefe de Estado salientou que “há duas situações diferentes, uma é o planeamento geral relativamente à saúde, outra coisa é a resolução de um ponto concreto desta crise, que foi a crise dos obstetras e das urgências e do pagamento das urgências”.

“Uma coisa é o panorama geral que vai ter de ser debatido, ponderado e decidido depois, porque não se reduz apenas à questão da urgência dos obstetras”, declarou, considerando a questão das urgências de ginecologia/obstetrícia um “sinal de febre”.

Quanto a esse sinal de febre, o Presidente da República manifestou o desejo de que “seja possível encontrar, como acontece muitas vezes na febre, aquele que é o medicamento para resolver concretamente esse ponto para já”.

“Vamos esperar que o diálogo permita”, acrescentou, reconhecendo que “há uma coisa ainda mais importante e mais longa, que são os meses de julho, agosto e até setembro”.

“Eu espero pensando no problema geral – não se pode separar completamente uma coisa da outra – haja no diálogo possibilidade de encontrar uma forma de prevenir para o verão em que estamos a entrar a não repetição de casos como este”, adiantou Marcelo Rebelo de Sousa.

Os sindicatos entregaram hoje ao Governo uma contraposta conjunta a exigir um “compromisso negocial” das condições de trabalho dos médicos do SNS e que rejeita a solução “avulsa e pontual” apresentada na quinta-feira.

“A contraposta exige um compromisso negocial em relação às condições base do trabalho médico no SNS, que inclua a remuneração base, mas também todas as condições que vêm no acordo coletivo de trabalho”, adiantou à Lusa o presidente da comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Segundo Noel Carrilho, esta contraposta foi apresentada conjuntamente com o Sindicato Independente do Médicos, um dia depois da primeira reunião para analisar a proposta de diploma do Governo sobre as remunerações dos clínicos em serviço de urgência, que terminou sem acordo.

Esta foi uma das medidas que a ministra Marta Temido apresentou na sequência do encerramento de urgências de ginecologia e obstetrícia de hospitais de vários pontos do país nos últimos dias, por dificuldades em assegurar escalas de médicos.

Recomendadas

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.

Futuros ‘vices’ defendem que país “precisa urgentemente” do PSD

Os futuros vice-presidentes do PSD Margarida Balseiro Lopes, Leitão Amaro e Paulo Cunha defenderam hoje que o país “precisa urgentemente do partido”, pelo que é necessário “fazer diferente” e abrir à sociedade civil.

PSD. Montenegro pede “apoio significativo” para as suas listas

O novo presidente do PSD, Luís Montenegro, pediu hoje “um apoio significativo” na votação de domingo para as listas aos órgãos nacionais que anunciou, considerando que tal será “um sinal para Portugal”.
Comentários