Marcelo espera “surpresa boa” na execução orçamental

“Vale a pena esperar uns dias até se saber a receita fiscal do mês de setembro. Talvez possa ser uma surpresa boa, no sentido que permitam atingir o que acredito: que o défice vai ficar em 2,5%”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, citado pela agência Reuters.

Cristina Bernardo

O Presidente da República acredita que a execução orçamental de Portugal em setembro poderá surpreender pela positiva do lado da receita e que o país vai atingir a meta imposta por Bruxelas de um défice inferior a 2,5% em 2016.

“Vale a pena esperar uns dias até se saber a receita fiscal do mês de setembro. Talvez possa ser uma surpresa boa, no sentido que permitam atingir o que acredito: que o défice vai ficar em 2,5%”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, citado pela agência Reuters.

“Se assim for, é sinal que as receitas fiscais em Setembro e espero que em outubro, novembro e dezembro irão crescer. Como as despesas estão muito contidas, vai dar para manter os 2,5%.
Não estou, nesse ponto, preocupado”.

Portugal cortou em 2% o défice público para 3.990 milhões de euros (ME) nos primeiros oito meses do ano, melhor que o previsto no Orçamento de Estado (OE) para 2016, com a subida das receitas a sobrepor-se à das despesas.

O Governo projecta um corte do défice público para 2,2% do PIB este ano e a Comissão Europeia exige o cumprimento da meta de 2,5%.

Questionado sobre o risco do país precisar de um novo pacote de ajuda financeira, o Presidente da República respondeu: “Acho que não vai haver segundo resgate e que, além do mais, a Europa não está sequer a pensar em resgates, tem tantos outros problemas, que não está a pensar nisso”, referiu o Presidente da República.

“Olhando em Portugal para o controlo do défice orçamental e para a preparação para o ano que vem, do controlo do défice orçamental, acho que não vai haver esse cenário, hipótese que é uma espécie de conversa que se tem quando não se tem outra conversa para se ter

Recomendadas

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

O euro reagiu hoje com um novo mínimo de vinte anos à viragem à direita em Itália depois da vitória nas eleições gerais de domingo da coligação formada pelos Irmãos de Itália (FdI), a Liga e Forza Italia (FI). O euro caiu hoje até ao mínimo de 0,9551 dólares, mas recuperou novamente e estava a […]

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Sentimento económico na Alemanha deteriora-se em setembro

O declínio do sentimento económico está a afetar os quatro setores da economia, com as empresas a avaliarem os seus negócios atuais como claramente piores.
Comentários