Marcelo formaliza data das eleições legislativas “nos próximos dias”

Diploma que formaliza a data das eleições legislativas para o dia 30 de janeiro será publicado assim que Marcelo regressar a Lisboa de Luanda.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Presidente da República deverá publicar o decreto-lei que formaliza a data das eleições legislativas nos próximos dias. De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, o diploma deverá ser publicado “mal regresse a Lisboa”.

Em declarações aos jornalistas, este domingo, em Luanda, no âmbito da sua segunda visita a Angola em quatro meses, Marcelo considera que “temos estabilizado o quadro político dos vários partidos”, isto depois de na noite passada Rui Rio ter sido reeleito presidente do PSD com 52% dos votos.

“É positivo porque começa agora o período pré-eleitoral com a marcação formal das eleições. Nos próximos dias, mal regresse a Lisboa será publicado o decreto”, disse.

Quanto à vitória de Rui Rio contra Paulo Rangel, Marcelo informou os jornalistas que contactou ambos os candidatos, referindo que deu os “parabéns a quem ganhou e uma palavra para quem não ganhou, mas que prestou a sua função”, não avançando comentário sobre que resultado poderá Rui Rio angariar nas próximas legislativas.

“Não vou fazer comentários sobre isso. É uma escolha dos portugueses, escolherem os partidos e em que irão votar para formar um composição do parlamento”.

Na sequência do chumbo do Orçamento do Estado 2022 e a dissolução do Parlamento, Marcelo Rebelo de Sousa marcou as eleições legislativas antecipadas para o dia 30 de janeiro, justificando a decisão com base no calendário eleitoral.

“Sabemos todos que campanha eleitoral, bem como debates audiovisuais que a devem anteceder, realizados no Natal, o primeiro Natal depois daquele que em boa verdade não tivemos, ou pelo Ano Novo, são a todo o título indesejáveis”, afirmou o Presidente da República dizendo que uma data anterior poderia levar a uma maior — “e indesejável” — abstenção.

Na curta declaração ao país, no dia 4 de novembro, Marcelo Rebelo de Sousa começou por justificar a dissolução do Parlamento e a necessidade de “devolver a palavra ao povo, o caminho que temos pela frente”.

“Este era um orçamento especialmente importante num momento especialmente importante para todos nós”, afirmou. “A sua rejeição deixou sozinho a votar o orçamento o partido do Governo, dividiu por completo a base de apoio do Governo, mantida desde 2015”.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários