Marcelo nega estar cansado da Presidência e diz que “seria mau” encurtar mandato em contexto de crise

“Não, não estou cansado da Presidência e, pelo contrário, é mais necessário mais Presidente num momento de mais crise, como é evidente”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, rejeitou este sábado a ideia de estar cansado de ocupar o cargo e considerou que neste momento “seria mau” uma interrupção ou um encurtamento do mandato, dado o contexto que o país atravessa.

“Não, não estou cansado da Presidência e, pelo contrário, é mais necessário mais Presidente num momento de mais crise, como é evidente”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa em declarações aos jornalistas durante uma visita à Feira de Solidariedade Rastrillo, em Lisboa.

O chefe de Estado referiu que chegou na sexta-feira do Qatar e que tem tido “tantos compromissos, tantos compromissos, a maior parte deles sociais”, mas referiu que não se cansa.

“Eu nunca me canso, eu sou criticado muitas vezes de nunca me cansar e outras vezes de me cansar”, afirmou.

Questionado sobre a proposta do PSD no âmbito da revisão constitucional para que o Presidente da República tenha um mandato único de sete anos (em vez da possibilidade de dois mandatos de cinco), Marcelo assinalou que essa alteração já foi defendida por si.

“Eu não me meto na matéria da revisão constitucional, é uma matéria em que o Presidente da República não tem poderes nenhuns e eu, por exemplo, no passado defendi, quando não era Presidente da República, e mesmo no início, quando me candidatei, que a solução melhor seria um mandato único de sete anos”, apontou.

“No entanto, devo reconhecer que neste momento, com a guerra e com a crise, seria mau haver uma interrupção de mandato, um encurtamento de mandato, precisamente porque é preciso é haver quem enfrente a crise e quem garanta, intervindo. E o Presidente deve intervir para garantir, por um lado, que a maioria absoluta cumpre o que deve cumprir – para isso é que ela existe – e, por outro lado, para garantir que haja uma oposição que possa ser alternativa, como é desejável que haja alternativas no futuro”, defendeu o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa apontou também que está a ser mais exigente no segundo mandato.

“Estou a ser. Já mandei um diploma para o Tribunal Constitucional, posso mandar outros”, avisou.

Recomendadas

“Eu não entro nisso”: Montenegro recusa possibilidade de coligação com Ventura

O presidente do PSD, Luís Montenegro, assegurou hoje que não irá conversar com o presidente do Chega, André Ventura, sobre uma eventual alternativa de Governo à direita, alegando que a sua “coligação preferencial é com os portugueses”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Banco de Portugal, APB, Concorrência e Deco chamados ao Parlamento

O requerimento para a audiência foi feito pelo PSD e hoje teve a aprovação dos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF).
Comentários