Marcelo Rebelo de Sousa cancela tradicional mensagem de Ano Novo

Devido à campanha eleitoral para as presidenciais de 2021, o Presidente da Republica decidiu cancelar a tradicional mensagem de Ano Novo aos portugueses.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou hoje que decidiu não dirigir aos portugueses a tradicional mensagem de Ano Novo, por participar nos dias seguintes em debates como candidato presidencial.

Esta decisão foi anunciada através de uma nota publicada no portal da Presidência da República na Internet.

“Em 2021 as eleições estão previstas para 24 de janeiro, pelo que o dia 01 é bem antes do início da campanha eleitoral a 10 de janeiro. No entanto, o Presidente da República decidiu não dirigir a tradicional mensagem de Ano Novo aos portugueses, pois participa, na qualidade de candidato às eleições presidenciais, em debates com outros candidatos nos dias imediatos”, lê-se na nota.

Nesta nota, refere-se que “a mensagem de Ano Novo do Presidente da República, no primeiro dia do ano, é uma tradição de muitas décadas, praticamente desde que há televisão em Portugal”.

“Depois do 25 de abril, todos os cinco Presidentes da República eleitos depois da Constituição de 1976 dirigiram tais mensagens aos portugueses, com duas exceções, a dos presidentes da República Mário Soares e Jorge Sampaio, que não o fizeram respetivamente a 01 de janeiro de 1991 e a 1 de janeiro de 2001, pois se estava em pleno período de campanha eleitoral”, assinala-se.

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou a sua recandidatura ao cargo de Presidente da República no dia 07 de dezembro.

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários