Marcelo Rebelo de Sousa considera que Mário Centeno “tem sido vital”

Para o Presidente da Republica, é vital dar o subsídio de risco às forças de segurança e atender às suas necessidades antes da manifestação a 21 de janeiro. Mas vital mesmo é prolongar Centeno.

O rumor de que Mário Centeno poderá abandonar o cargo de Ministro das Finanças nesta legislatura já chegou a Belém.

De acordo com uma fonte próxima da presidência, “tirar Centeno é cortar uma perna e um braço ao Governo e ao primeiro-ministro”, onde é considerado “um luxo” António Costa dispensar o ministro e antecipam-se grandes dificuldades para quando/se tiver que o substituir.

Em entrevista ao jornal Expresso, publicada este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa subscreve e diz que ““Mário Centeno tem sido vital” para o funcionamento do Governo.

Para o PR, a expectativa é que o ministro fique pelo menos até ao fim da presidência portuguesa da União Europeia, ou seja, até finais de 2021. Mas o ideal, na sua opinião, era Centeno ficar para lá disso.

No que toca ao Orçamento de Estado 2020, o Presidente espera que o Governo responda a outras necessidades para além da Saúde, a começar pelas forças de segurança. Para Marcelo, este é um setor muito sensível e é urgente ser dada uma resposta aos seus pedidos antes da manifestação marcada pelos polícias para 21 de janeiro.

 

 

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários