Marcelo Rebelo de Sousa: “Os portugueses querem melhor Proteção Civil”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que os portugueses querem melhor Proteção Civil e defendeu que o Governo e a Liga dos Bombeiros Portugueses devem dialogar.

Cristina Bernardo

“Cada vez que há uma palavra dita em público que dificulta o diálogo, é um mau serviço aos portugueses”, afirmou o Presidente da República, em Coimbra, defendendo que o governo e a Liga dos Bombeiros Portugueses devem dialogar.

Na sua opinião, “os portugueses querem melhor Proteção Civil” o que implica “que todos os envolvidos se entendam”.

“Tudo o que seja desentenderem-se, é o contrário do caminho desejado para os portugueses. Eu acho que qualquer pessoa minimamente atenta percebe o que é que os portugueses querem”, acrescentou, após ter participado na festa de Natal da Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, no Convento São Francisco.

Insistindo num “apelo genérico” para que o conflito entre o Ministério da Administração Interna e a LBP seja ultrapassado, Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que importa ter “muito cuidado naquilo que se diz” em público em matéria de Proteção Civil.

A Liga dos Bombeiros Portugueses, liderada por Jaime Marta Soares, contesta os diplomas que o Governo quer aprovar no âmbito da reforma da Proteção Civil.

Por outro lado, em resposta a uma pergunta dos jornalistas sobre a aprovação em Conselho de Ministros, na quinta-feira, da nova Lei de Bases da Saúde, que não consagrou o estatuto do cuidador informal, o Chefe de Estado reafirmou ser “um defensor do cuidador informal”.

“O fundamental é que haja um estatuto para o cuidador informal” em Portugal, acentuou.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários