Marcelo Rebelo de Sousa promulga corte nas subvenções a partidos

Presidente da República deu luz verde a cortes de 10 e 20% no financiamento a partidos e campanhas.

Marcelo Rebelo de Sousa aprovou o decreto sobre o corte nas subvenções públicas para o financiamento dos partidos políticos e campanhas eleitorais, de acordo com uma informação publicada na noite de terça-feira na página oficial da Presidência da República. A promulgação pelo Presidente da Repúblico do decreto era o último passo que faltava para tornar definitivas as reduções.

“O Presidente da República promulgou o Decreto da Assembleia da República que procede à sexta alteração à Lei n.º 19/2003, de 20 de junho, que regula o financiamento dos partidos políticos, converte em definitivas as reduções nas subvenções públicas para o financiamento dos partidos políticos e para as campanhas eleitorais, e revoga a Lei n.º 62/2014, de 26 de agosto”.

O corte será de 10% aos partidos e 20% a campanhas eleitorais. A votação parlamentar sobre a redução definitiva das subvenções públicas aos partidos políticos e às campanhas eleitorais aconteceu dia 16 de dezembro e recebeu votos favoráveis de todas as bancadas e a abstenção do PAN e do deputado socialista Ascenso Simões. Na especialidade, as alterações foram aprovadas por unanimidade na Comissão de Assuntos Constitucionais.

Relacionadas

Redução de financiamento aos partidos aprovada no Parlamento

Alterações à Lei do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais aprovada por unanimidade na especialidade.
Recomendadas

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

OE2023: Iniciativa Liberal vai insistir no desagravamento de vários impostos

O líder da Iniciativa Liberal (IL) disse hoje, em Coimbra, que o partido vai apresentar cerca de uma dúzia de propostas de alteração ao Orçamento de Estado para 2023, que visam o desagravamento de vários impostos.

Marcelo “não deveria ter falado” com José Ornelas, considera Ventura

O presidente do Chega, André Ventura, considerou hoje que o Presidente da República “não deveria ter falado” com o bispo José Ornelas sobre questões relacionadas com a denúncia de alegado encobrimento de abusos sexuais.
Comentários