Marcelo recebe Ordens da saúde para discutir financiamento do setor

As ordens profissionais do setor da saúde são hoje recebidas no Palácio de Belém pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O encontro, que junta os bastonários das ordens dos médicos, médicos dentistas, farmacêuticos, enfermeiros, nutricionistas e psicólogos, está marcado para as 15h00, , depois de em outubro terem solicitado uma audiência para apresentar um plano de emergência para financiamento.

Em outubro, as seis ordens profissionais tinham pedido para serem recebidas pelo Presidente da República para lhe apresentar um plano de emergência que pretende repor o financiamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) ao nível da média da OCDE, o que, segundo as contas destes profissionais, implicam um acréscimo de verbas de 1.200 milhões de euros.

Esses 1.200 milhões de euros são, segundo José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos, “absolutamente necessários” para dar resposta à degradação de infraestruturas, a equipamentos obsoletos ou contratação dos profissionais necessários, entre outros aspetos.

Segundo números das ordens profissionais do setor da saúde — Enfermeiros, Farmacêuticos, Médicos, Médicos Dentistas e Nutricionistas — o financiamento do Estado ao SNS situa-se atualmente nos 5,8% do Produto Interno Bruto (PIB), distante dos 6,5% em que se fixa a média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários