Marcelo reitera que Costa tem que cumprir mandato, frisando que o primeiro-ministro “está refém do povo”

“No momento em que o povo votou num partido, também votou no homem”, disse Marcelo que ontem já tinha lembrado ao primeiro-ministro que tem um compromisso de quatro anos para cumprir.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, voltou a lembrar que o povo português elegeu António Costa, o que o torna “refém do povo”.

Já ontem, durante tomada de posse do novo executivo, Marcelo tinha recordado a Costa que o compromisso de ser primeiro-ministro seria para cumprir até ao fim, abrindo assim a possibilidade de que o primeiro-ministro poderia abandonar o cargo a meio do mandato.

“No momento em que o povo votou num partido, também votou no homem. Não votou num qualquer partido ou em qualquer homem ou mulher”, reforçou o Chefe de Estado, acrescentando que Costa ficou “refém do povo”.

“O primeiro-ministro falou nisso ontem a dizer que o Presidente é o mesmo, o primeiro ministro é o mesmo e essa é uma boa garantia até ao fim da legislatura”, sublinhou.

Quando questionado sobre a possibilidade de António Costa emigrar, o Presidente da República respondeu que “não” e explicou que as suas declarações eram uma mera “evidência do voto dos portugueses”.

“Votaram na maioria absoluta, podiam ter votado noutras escolhas. Votaram na estabilidade e votaram para que a estabilidade pudesse resolver os problemas do país”, frisou Marcelo.

“Se o próprio partido do Governo assume que o primeiro-ministro é refém do povo, quer dizer que assume com ele que está a avançar para uma empreitada”, afirmou o Chefe de Estado, recordando as declarações de Carlos César sobre os compromissos do primeiro-ministro.

“O Primeiro Ministro, como em qualquer democracia e na sequência da renovação expressiva da legitimidade eleitoral do PS, é refém do povo que o elegeu e dos compromissos que assumiu e que serão reafirmados no Programa do Governo que será submetido ao órgão de soberania a quem incumbe a fiscalização política da atividade governativa – a Assembleia da República”, escreveu o dirigente socialista nas redes sociais.

Relacionadas

Rio defende que Costa tem “obrigação redobrada” de cumprir mandato até ao fim

No final da tomada de posse do XXIII Governo Constitucional, Rui Rio foi questionado sobre a passagem do discurso de Marcelo Rebelo de Sousa em que avisou António Costa que será difícil a sua substituição a meio da legislatura, defendendo que os portugueses “deram a maioria absoluta a um partido, mas também a um homem”.

Marcelo dá posse a novo Governo de Costa mas deixa recado: portugueses escolheram “maioria absoluta”, não o “poder absoluto”

O Presidente da República admitiu que “são muitas missões para tão pouco tempo e marcado por tantos difíceis embates” e avisou Costa de que não deve deixar Governo “a meio do caminho”.
Recomendadas

Aeroporto: Livre acusa Governo de ensaiar “fuga para a frente”

O Livre acusou o Governo de ensaiar “uma fuga para a frente” e de dar “uma clara imagem do que não se deve fazer” quando apresentou a nova solução aeroportuária para Lisboa.

Aeroporto: PCP quer ouvir Pedro Nuno Santos com urgência

O Grupo Parlamentar do PCP requereu a audição no parlamento com caráter de urgência do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Aeroporto: Montijo diz que infraestrutura dá resposta às necessidades

O presidente da Câmara do Montijo defendeu que o novo aeroporto no concelho é uma “necessidade urgente” e reafirmou a convicção de que a alternativa de Alcochete pode demorar.
Comentários