Marcelo e a renegociação da dívida: “Prematuro e extemporâneo”

Tendo em conta o período de eleições que vai ter lugar, durante o próximo ano, em várias países fundadores da União Europeia, o Presidente da República considera não ser este o momento para discutir o tema.

Cristina Bernardo

“Estar a especular sobre cenários europeus num ano em que vai haver eleições em várias das economias fundadoras da União Europeia, até, praticamente, daqui a um ano, estar a especular sobre o que será a Europa nessa altura, e estar a fazer um debate sobre matéria da dívida, é completamente prematuro e extemporâneo. Não faz sentido”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

“Só se quisermos um daqueles debates a que eu estava habituado na universidade, em que debatemos, teoricamente, tudo. E é muito útil. Mas debater [a renegociação da dívida], em termos concretos, com relevância política, não faz sentido nenhum”, acrescentou.

O Presidente da República, que falava aos jornalistas durante a visita à fábrica de automóveis de Palmela, integrada nas comemorações dos 25 anos da Autoeuropa, lembrou ainda que Portugal está a cumprir os compromissos assumidos com a União Europeia.

“Neste momento há compromissos assumidos, os compromissos estão a ser cumpridos, os resultados vão na linha desses compromissos. São boas notícias”, disse.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários