Marcelo sobre Fitch: “Figura de Portugal sai reforçada” da subida do ‘rating’

A decisão “reforça, sem dúvida, a credibilidade do país, dos responsáveis políticos e daquilo que é uma linha de orientação política portuguesa”, disse o Presidente da República sobre a decisão da Fitch de tirar Portugal do ‘lixo’.

Cristina Bernardo

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a decisão da agência de notação financeira Fitch de ter subido o rating de Portugal reforça a imagem e credibilidade do país. Segundo o Presidente da República, a “subida excecional” de dois níveis na escala da avaliação da Fitch dá agora ao Governo uma “responsabilidade maior”.

Num relatório publicado esta sexta-feira, a Fitch mudou a avaliação sobre Portugal por esperar que a dívida pública caia de forma sustentada. A decisão era esperada, mas a agência subiu o rating da República em dois escalões, para BBB com outlook estável, mais do que o antecipado.

A decisão “reforça, sem dúvida, a credibilidade do país, dos responsáveis políticos e daquilo que é uma linha de orientação política portuguesa”, disse o Presidente, em declarações às televisões, à margem do Conselho de Fundadores de Serralves, no Porto.

“A figura de Portugal sai reforçada e todos aqueles que trabalharam para este resultado. Começou no Governo anterior, mas temos de reconhecer que este Governo fez uma obra, em termos financeiros, que agora é reconhecida”, afirmou.

Apesar de otimista, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que “devemos estar satisfeitos, os portugueses merecem esta decisão, mas, naturalmente, é preciso continuar o caminho. É preciso continuar sem euforias, com trabalho, mas com a alegria de dever cumprido”.

A Fitch salientou que a economia portuguesa está a atravessar uma forte recuperação cíclica desde meados de 2016 e que a perspetiva de curto prazo melhorou. No relatório, a agência indicou que o rácio da dívida deverá cair 3 pontos percentuais este ano, para menos de 127% do PIB e reviu em alta a previsão do crescimento do PIB para 2,6% em 2017 e 1,9% em 2018, sublinhando que “o desempenho forte do mercado de trabalho confirma a pujança da retoma”.

Depois da divulgação do relatório, também o ministério das Finanças reagiu, salientando que subida de rating em dois escalões é inédita. “A decisão da Fitch, que se junta às da Standard and Poor’s e DBRS, coloca a dívida soberana firmemente classificada em grau de investimento”, afirmou o ministério liderado por Mário Centeno.

“A avaliação positiva alarga a base de investidores na dívida da República Portuguesa e vai permitir a entrada da dívida em mais índices de dívida soberana. Mas além de favorecer as condições de financiamento da República, esta avaliação favorece também as condições de financiamento das famílias e das empresas portuguesas”, acrescentou.

Relacionadas

Fitch tira Portugal do nível de ‘lixo’ e sobe dois escalões no ‘rating’

Tal como esperado, a Fitch seguiu os passos da Standard and Poor’s e subiu o ‘rating’ da República para grau de investimento. Das quatro principais agências de notação, a Fitch passou assim a atribuir a melhor classificação, justificando a subida principalmente com a tendência de queda da dívida.

Governo salienta que subida de rating em dois escalões é inédita

“Esta classificação reflete o trajeto de controlo da despesa pública e de melhoria da balança corrente. É o reconhecimento das opções de política económica do Governo português”, afirmou o ministro das Finanças, Mário Centeno.

Administrador financeiro do BCP diz que subida do rating ajuda banca

Miguel Bragança diz que a subida do rating da Fitch “é positivo na medida em que implica uma redução de custos/yields da dívida pública e por isso é bom para a economia e para a banca, em particular, porque contribui para a redução dos custos de financiamento institucionais, ou porque melhora os rácios de capital”.

Cristas: Subida do ‘rating’ deve-se também a reformas do anterior Governo

Assunção Cristas discursou no jantar de Natal da concelhia de Lisboa do CDS-PP, onde desafiou António Costa a continuar a preservar as reformas no mercado de trabalho implementadas pelo anterior governo.

Primeira vez em oito anos: juros de Portugal abaixo dos de Itália

No dia em que a agência de notação financeira Fitch deverá seguir exemplo da Standard & Poor’s e retirar Portugal do ‘lixo’, os juros da dívida portuguesa no prazo a 10 anos caíram para valores inferiores aos de Itália.
Recomendadas

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.

Governo quer atualizar os escalões do IRS em 5,1% em 2023

O Governo decidiu rever em alta o referencial dos aumentos salariais, puxando-o para o valor do aumento da massa salarial da Função Pública: 5,1%. Será esse o número que será usado para atualizar os escalões do IRS.
Comentários