Marcelo vai ser operado na quarta-feira

O Presidente vai estar parado entre oito a dez dias para recuperar da intervenção. O natal de Marcelo vai ser reduzido ao “mínimo”, já avisou o Chefe de Estado.

O Presidente da República vai ser operado amanhã, quarta-feira, 15 de dezembro.

“Amanhã, ao início da tarde”, disse Marcelo Rebelo de Sousa hoje em declarações aos jornalistas, segundo as declarações transmitidas pela “RTP3”.

O Presidente já tinha anunciado anteriormente que iria ser operado a uma pequena hérnia inguinal de oito centímetros. A operação deverá ter lugar no Hospital das Forças Armadas em Lisboa.

“Vou operar agora, atendendo a que no ano que vem tenho grandes deslocações, e é prudente evitar que ela estrangule, embora esteja muito bem e por mim viveria com esta hérnia. Resumindo, imediatamente antes do Natal farei uma pequena intervenção”, disse o Presidente a 18 de novembro, citado pela “TSF”.

O período de recuperação vai ser entre a oito a dez dias. “As festas de natal serão reduzidas ao mínimo”, disse o PR na altura.

O Presidente foi operado de urgência a uma hérnia umbilical em dezembro de 2018, no hospital Curry Cabral em Lisboa. Já em outubro de 2019 foi submetido a um cateterismo cardíaco, programado, no hospital de Santa Cruz em Oeiras, recorda a “Lusa”.

 

Recomendadas

Premium“A organização de cuidados deve estar centrada no doente”

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) prepara-se para entrar numa nova era, com a criação de uma direção executiva. Na discussão inaugural do ciclo de conferências PROJETOR 2030, a saúde foi o tema forte.

Protestos de solidariedade com mulheres iranianas decorrem sábado em Lisboa e Coimbra

Os protestos decorrem depois da polémica morte de Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos, por usar o hijab de forma incorreta.

PremiumNova dedução no IRS contribuiria para contrariar desigualdade de géneros

Mulheres ganham menos do que os homens e são também penalizadas fiscalmente uma vez os produtos a elas dirigidos tendem a ser mais caros. Dedução à coleta para contrariar esse cenário seria “o mais simples”, defende APIT.
Comentários