Maria Luís Albuquerque sobre o défice: “Nós tínhamos razão”

Ex-ministra das Finanças acredita que cumprimento das metas do défice não seria possível sem medidas extraordinárias do Governo.

Rafael Marchante/Reuters

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque não parece impressionada com o trabalho do Governo de António Costa no corte do défice e diz que o PSD tinha razão. O Governo não teria conseguido alcançar as metas a que se propôs se não fossem as medidas extraordinárias do perdão fiscal, afirmou esta quarta-feira a vice-presidente social-democrata.

“O que é manifesto é que sem estas duas medidas extraordinárias, o défice face ao ano passado não se reduziria. Basta depois somarmos os valores todos quando chegarmos ao fim”, referiu numa conferência de imprensa na sede nacional do PSD, em Lisboa. “E portanto não são medidas que constassem do orçamento original.”

“Correspondem de facto a um plano B e um plano C que prova que nós tínhamos razão, ou seja, o orçamento conformo foi apresentado se tivesse sido executado nunca permitiria alcançar as metas que prometia alcançar.” Maria Luís Albuquerque afirmou ainda que apesar de ser positivo que o Governo tenha cumprido a meta do défice, é importante que sejam implementadas medidas sustentáveis.

António Costa garantiu na semana passada que o Governo vai reduzir o défice público para abaixo de 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, dos 4,4% de 2015 que incluíram a injeção no Banif, beneficiando de um crescimento económico de 1,2%, mas também de um corte na despesa corrente da administração pública.

Relacionadas

Défice orçamental cai 394 milhões até novembro

Este valor rondou os 4,4 mil milhões de euros no conjunto dos primeiros 11 meses de 2016, caindo 394 milhões face ao valor registado no mesmo período de 2015

Reações a Costa: esquerda aplaude e quer mais, oposição avisa sobre défice e riscos

Bloco quer mais combate à precariedade, e PCP avisa de novo sobre constrangimentos europeus. Cristas quer perceber corte do défice e Passos alerta sobre situação internacional.

Despesa pública com contratos desce para 442 milhões de euros em novembro

Síntese Mensal da Contratação Pública revela descida em termos homólogos, mas o número de contratos ultrapassou o valor médio mensal verificado desde janeiro de 2014.

Mais uma farpa de Marcelo a Passos Coelho com o défice pelo meio

Presidente da República considera que valor do défice é “muito importante”, tendo em conta que há alguns meses “profetizaram que nunca se chegaria” a esse número.
Recomendadas

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.

Admitidas 13 candidaturas ao concurso público internacional do SIRESP

Para a SIRESP SA, o “número significativo de candidatos qualificados é demonstrativo de que se encontram asseguradas condições de concorrência adequadas entre os potenciais interessados do setor de mercado relevante e de que o concurso poderá vir a consubstanciar-se numa mais-valia económica e tecnológica para o interesse público, que o Estado visa prosseguir com a aquisição desses serviços”.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Destaque do dia para a Rússia, que vai publicar os dados relativos à taxa de desemprego e outros indicadores macroeconómicos, numa altura em que o esforço bélico e o prolongamento das sanções começam a afundar a economia do país.
Comentários