Maria Luís Albuquerque integra administração não executiva do Morgan Stanley

A ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, foi nomeada para o ‘Supervisory Board’ da subsidiária alemã do banco norte-americano Morgan Stanley, apurou o Jornal Económico.

Rafael Marchante/Reuters

A ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, foi nomeada para o Supervisory Board da subsidiária alemã  do banco norte-americano Morgan Stanley, apurou o Jornal Económico.

O modelo de Supervisory Board na legislação alemã é comparável, em termos de funções, ao que existe em Portugal com a administração não executiva.

A economista que liderou a pasta das Finanças no Governo de Pedro Passos Coelho foi nomeada no fim de setembro para o Morgan Stanley em Frankfurt.

Na sequência do Brexit, o Morgan Stanley, tal como os outros grandes bancos internacionais, abriram subsidiárias na União Europeia. No caso do Morgan Stanley, foram criadas três entidades na Alemanha/Frankfurt: a Morgan Stanley Europe Holding SE (MSEHSE), o Morgan Stanley Europe SE (MSESE) e o Morgan Stanley Bank AG (MSBAG). Cada uma destas entidades tem um Supervisory Board (administração não executiva) e respetivas comissões especializadas, mas os membros do board são os mesmos nas três entidades.

Maria Luís Albuquerque foi nomeada para o Supervisory Board destas três entidades e para as correspondentes comissões de auditoria, de risco e de nomeações.

Recorde-se que a antiga ministra abandonou a empresa inglesa Arrow em outubro de 2021 e regressou à Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), de onde tinha saído em 2011, mas entretanto saiu, no final do ano, para integrar a administração das filiais europeias do banco com sede nos Estados Unidos.

A ex-ministra das Finanças estava, desde 2016, como administradora não executiva da empresa com sede em Londres, e saiu do board da Arrow Global depois da  TDR Capital LLP, gestora de private equity, ter comprado a empresa que investe em ativos problemáticos. Na sequência dessa aquisição, a Arrow saiu de bolsa e todo o board da empresa saiu.

Recomendadas

BPI eleito “Banco do Ano 2022” pela revista The Banker

“O BPI tem a liquidez e o capital para continuar a apoiar a economia, a transição para a descarbonização, sem nunca esquecer o nosso compromisso com a banca responsável, num ambiente económico que requer um apoio especial aos mais vulneráveis”, refere o CEO.

Rauva diz mais de 5.000 trabalhadores independentes e empresas estão descontentes com o processo de abertura de contas

O mesmo estudo revela que “dois em cada três dos inquiridos afirmam que não é fácil abrir uma conta bancária em Portugal e cerca de metade espera mais do que um dia para a conta estar disponível”.

Sindicatos põem bancos a negociar com Governo a inclusão dos reformados no “pacote” para mitigar inflação

“Os bancos concordaram com a viabilidade da sugestão dos sindicatos, tendo-se comprometido a apresentá-la ao Governo”, avançam as estruturas sindicais da UGT.
Comentários