Mariana Vieira da Silva. “Larguíssima maioria” das perguntas do questionário já era aplicada

A ministra da Presidência garantiu esta terça-feira, em Lisboa, que a “larguíssima maioria” das perguntas do questionário de escrutínio de governantes já são respondidas pelos membros do executivo, através das declarações a que o Parlamento e o tribunal têm acesso.

“O Governo procurou responder a um problema identificado nas últimas semanas, procurando ainda contribuir para a criação de uma relação de confiança na escolha dos membros do Governo […]. Trata-se de uma antecipação de perguntas que fazem parte da declaração que os membros do Governo fazem à Assembleia da República e ao Tribunal Constitucional”, assegurou Mariana Vieira da Silva na comissão parlamentar de Administração Pública, Ordenamento do Território e Poder Local.

Em 12 de janeiro, o Conselho de Ministros aprovou a resolução que estabelece um questionário de verificação prévia à propositura de membros do Governo ao Presidente da República.

Esta resolução foi anunciada por Mariana Vieira da Silva no final da reunião do Conselho de Ministros, adiantando que este questionário deve ser preenchido “pelas personalidades convidadas pelo primeiro-ministro” para integrarem o Governo.

O questionário de verificação prévia tem 36 perguntas, abrange os últimos três anos de atividades e estende-se ao agregado familiar.

Em resposta ao PSD, Mariana Vieira da Silva reiterou que a maioria destas questões já foi respondida pelos atuais membros do executivo e entregue ao Tribunal Constitucional e à Assembleia da República, através da declaração de rendimentos e património.

“Num processo futuro, queremos que o primeiro-ministro, [António Costa], tenha um instrumento coerente, partilhado e conhecido por todos para fazer um processo de escrutínio, que se entendeu ser necessário”, vincou.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Carlos Moedas defende que Estado devia rever lei de estrangeiros com mais de dez anos

Autarca sustenta que “Portugal precisa de imigrantes”, uma vez que “estamos a diminuir a população”, mas que é preciso que quem chega tenha regras revistas anualmente.

Ex-vereador do Chega ganha pelouro da fiscalização na Câmara do Seixal

Henrique Freire, vereador independente que foi eleito para a Câmara do Seixal pelo Chega, vai assumir o pelouro da Fiscalização e Contra-Ordenações. Oposição considera que esta é uma estratégia da CDU para assegurar a maioria no executivo camarário.
Comentários