Mário Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento do Estado aos partidos amanhã de manhã

Partidos com representação parlamentar vão ficar a conhecer pontos principais do documento, que será entregue na próxima segunda-feira. Única exceção será a deputada do Livre, que não teve disponibilidade para o encontro.

José Sena Goulão/Lusa

O Governo vai apresentar na manhã desta terça-feira as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2020 aos partidos com representação parlamentar, com exceção da deputada única do Livre, Joacine Katar-Moreira, que não teve disponibilidade de agenda para o encontro na Assembleia da República. As reuniões serão conduzidas pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, que irá entregar o documento final na próxima segunda-feira, 16 de dezembro.

Os encontros começam logo às 09h00, com o grupo parlamentar do PSD, seguindo-se, com um intervalo de meia hora entre cada encontro, Bloco de Esquerda, PCP, CDS-PP, PEV, Chega, Iniciativa Liberal e PAN, que irá ouvir Mário Centeno a partir das 13h00. O único intervalo, entre o CDS-PP (10h30) e o PEV (11h30) deve-se à indisponibilidade da deputada do Livre.

Na reunião da concertação social que teve lugar na manhã desta segunda-feira o Governo indicou aos sindicatos e às associações patronais que medidas como a criação de novos escalões de IRS só deverá chegar “a meio da legislatura”, sem que a ministra do Emprego, Helena André, tenha avançado que novidades poderão resultar do Orçamento do Estado para 2020.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Manuel Pizarro. “A consequência da violação destas regras é a demissão”, diz Chega

O Chega entregou, esta terça-feira, ao final da manhã “uma participação no Tribunal Constitucional para que abra um processo de averiguações”, explicou André Ventura.

Marcelo defende que Forças Armadas são insubstituíveis e não um “luxo do presente”

O Presidente da República defendeu hoje que as Forças Armadas são insubstituíveis para construir a paz, papel que todos deveriam compreender, negando que estas sejam um “pergaminho do passado” ou um “luxo do presente”.
Comentários