Mário Centeno entende que não combater inflação não é opção para o BCE (com áudio)

Numa entrevista ao “Público”, o antigo ministro entende que “a alternativa que seria manter taxas de inflação elevadas, mesmo que sejam em parte justificadas pela guerra, teria um custo recessivo maior do que aquele que o aumento das taxas de juro provoca”.

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, considera que não combater a inflação não é opção para o BCE.

Numa entrevista ao “Público”, o antigo ministro entende que “a alternativa que seria manter taxas de inflação elevadas, mesmo que sejam em parte justificadas pela guerra, teria um custo recessivo maior do que aquele que o aumento das taxas de juro provoca”.

Centeno admite que a maior parte da subida das taxas de juro já pode ter ficado para trás, pedindo às empresas e aos Estados para conterem as margens de lucro e uma política orçamental moderada.

“O combate à inflação não é um exclusivo dos bancos centrais”, defendeu.

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários