Mário Soares regista “progressivo agravamento”

O novo boletim clínico do ex-Presidente acaba de ser apresentado pelo porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

Esta quinta-feira, às 12 horas, o porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, José Barata, esclareceu que o estado de saúde de Mário Soares registou nas últimas horas um progressivo agravamento e que “mantém-se em coma profundo”. “Continua sem necessidade de suporte de vida”, sublinhou.

“Há um sinal de degradação das funções orgânicas, o estado mantém-se muito crítico e o prognóstico reservado, embora ainda não se tenha verificado qualquer falência ao nível de qualquer órgão vital”, referiu José Barata. “A equipa clínica multidisciplinar continua a acompanhar de forma constante o estado de saúde do Presidente Mário Soares”, acrescentou.

Aos meios de comunicação social, o porta-voz da unidade hospital realçou que o antigo Presidente da República continua “em coma profundo”. O responsável irá apresentar novo boletim clínico aos jornalistas “quando assim se justificar”.

No dia 13 de dezembro, seis dias após completar 92 anos, Mário Soares tinha sido internado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. As notícias nas horas seguintes informavam que o antigo chefe de Estado tinha perdido consciência, estava em “estado crítico e com prognóstico reservado”.

O antigo Presidente da República foi transferido para a unidade de internamento em regime reservado, no dia 23 de dezembro. Mais tarde, saiu dos cuidados intensivos, mas uma súbita alteração no estado de saúde de Mário Soares fez com que tivesse de voltar a ser acompanhado nesta unidade.

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários