Marques Mendes: apoio do PSD a Cristas é mau para o partido e para a líder do CDS

Segundo o comentador, o PSD está e negociar com o CDS uma moeda de troca, que implica que o CDS retire o apoio a Rui Moreira no Porto.

Marques Mendes considera que um eventual apoio do PSD à candidatura de Assunção Cristas à câmara de Lisboa é “mau” para o partido de Passos Coelho e um “presente envenenado” para a presidente do CDS.

No comentário desta noite na SIC, Marques Mendes começou por dizer que o PSD está a equacionar a hipótese de negociar com o CDS “duas coisas e não apenas uma”. São elas “o apoio a Assunção Cristas a Lisboa e,em contrapartida, que o CDS retire ou desista do apoio a Rui Moreira no Porto e passe a apoiar o candidato do PSD à câmara do Porto. Seria uma espécie de moeda de troca”, acrescentou.

Porém, o comentador considera que essa moeda de troca é uma hipótese “muito difícil” de concretizar. “Apoiar Assunção Cristas não me parece difícil. Agora, apoiar com a contrapartida do Porto parece-me quase impossível”, defendeu o comentador.

Se o PSD decidir apoiar Cristas sem qualquer tipo de contrapartida, “é mau para o PSD e para Passos Coelho”. E porquê? “Porque nesta altura do campeonato apoiar Assunção Cristas é visto como um ato de rendição. Dá uma imagem de fraqueza externa e pode gerar muitas divisões internas”, sublinhou Marques Mendes.

Além disso, “é um presente envenenado para Assunção Cristas. Porque se ela ganhar com o apoio do PSD dir-se-á que o mérito não é de Assunção Cristas mas do apoio do PSD. Se ela perder, vai ser criticada porque com o apoio do PSD ela já está “obrigada” a ganhar”, disse.

Dessa forma, segundo o comentador, a líder do CDS “não vai conseguir o objetivo” da sua candidatura: “Ela não quer propriamente ser presidente da câmara. Ela quer é contar votos e tentar mostrar de hoje para amanhã que vale mais do que vale o CDS”, rematou Marques Mendes.

 

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários