Marques Mendes: “Carlos Costa, mesmo agindo tardiamente, teve a coragem que poucos teriam”

Apontando a Carlos Costa “erros sobretudo no plano da comunicação”, Marques Mendes sublinhou que o ex-governador do Banco de Portugal viveu “sob constante ameaça governativa de destituição do cargo” desde que António Costa se tornou primeiro-ministro. Mas também deixou claro que todo o poder político não esteve à altura, exceptuando Passos Coelho.

Marques Mendes disse, na apresentação do livro “O Governador”, escrito pelo jornalista Luís Rosa, que Carlos Costa, durante os seus mandatos à frente do Banco de Portugal, “mesmo agindo tardiamente, teve a coragem que poucos teriam” ao afastar Ricardo Salgado da presidência do Banco Espírito Santo e ao proceder à sua resolução.

“Ricardo Salgado era à data dos factos um Estado dentro do Estado, um poder que condicionava os outros poderes”, disse o advogado e ex-presidente do PSD, falando para uma plateia que incluía os antigos Presidentes da República Cavaco Silva e Ramalho Eanes, e o ex-primeiro-ministro Passos Coelho, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Sobre o Banco Espírito Santo, Mendes descreveu-o como “um grupo que se chegou a comportar como uma verdadeira máfia siciliana”, e “especialista e doutorado em destruição de valor”.

Apontando a Carlos Costa “erros sobretudo no plano da comunicação”, Marques Mendes sublinhou que o ex-governador do Banco de Portugal viveu “sob constante ameaça governativa de destituição do cargo” desde que António Costa se tornou primeiro-ministro. Mas também deixou claro que todo o poder político não esteve à altura, exceptuando Passos Coelho.

“Ao optar por criticar mais o polícia do que o criminologista o poder político deu mostras de falta de coluna vertebral”, rematou Marques Mendes.

Recomendadas

TAP fez 42 voos de serviços mínimos esta manhã

A companhia diz que, até às 11h30, operou os 78 voos dos 148 voos previstos para hoje e, dos 64 voos de serviços mínimos agendados, operou os 42 estabelecidos, no contexto da greve convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.

Greve na TAP. “Não vemos qualquer perturbação hoje a afectar os nossos clientes”, diz CEO

A TAP enfrenta hoje o primeiro de dois dias de greve convocada pelo sindicato dos tripulantes de cabine SNPVAC. Em entrevista ao Jornal Económico (que sairá na íntegra na edição de sexta-feira), a CEO da companhia, a francesa Christine Ourmiere-Widemer, diz que os clientes não estão a ser afetados pela paralisação.

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.
Comentários