Marques Mendes diz que Ricciardi “tem vários convites”

O comentador disse ainda que os chineses do China Minsheng vêm para a semana a Lisboa tentar desbloquear os seus entraves da corrida ao Novo Banco.

Flickr PSD

Luís Marques Mendes, no seu habitual comentário da SIC, voltou a falar do sector financeiro.

A figura do ano na Economia para Marques Mendes é António Domingues. “Há um ano atrás ninguém conhecia António Domingues. Hoje todos sabem quem é António Domingues e a CGD é claramente o caso deste ano da Economia”. António Domingues, o presidente demissionário da CGD, esteve ligado à Caixa no seu melhor e no seu pior. “O melhor porque deu uma ajuda para que o plano de recapitalização da Caixa fosse aprovado em Bruxelas. Isso é mérito seu. O pior foram as várias trapalhadas em que se envolveu ou deixou envolver e que levaram à sua demissão. Fim da história foi aldrabado pelo Governo mas não sai zangado com o Governo. É obra!”, disse o comentador na SIC.

“Terminámos 2015 com agitação na Banca (Banif). Agora, terminámos 2016 com nova agitação. Três casos: Agitação no BCP com a saída do Sabadell inesperada, sobretudo na forma deselegante como sucedeu”. Segundo caso para Marques Mendes foi a “agitação no Haitong, ex-BESI, com a saída de José Maria Ricciardi”.
“O seu líder resolveu sair e era a mais-valia do Banco, evidentemente que foi um rombo no Haitong”, disse o comentador. “Isto é sobretudo um problema para o banco” diz o comentador que explica que não é tanto um problema para Ricciardi pois “pelo que já me apercebi tem vários convites ou para dirigir um Banco no estrangeiro; ou liderar um projecto nacional; ou criar e dirigir um novo projecto financeiro de caráter peninsular, o problema é que um dos grandes bancos de investimento portugueses pode de facto com tudo isto entrar numa situação de declínio”, disse.
O terceiro caso para Marques Mendes é a agitação na venda do Novo Banco. “Confirma-se que os chineses têm a proposta financeira mais vantajosa. Mas agora surgiu um problema. Estão com problemas de trazer em tempo útil o dinheiro da China para Portugal”, disse Marques Mendes que diz que isto pode adiar o processo para Janeiro.
“Se o problema não se resolve tem de se passar para o segundo classificado que é a Lone Star, com uma proposta menos vantajosa, para já não falar da terceira hipótese se não houvesse venda”, diz Marques Mendes. “Ao que sei os chineses vão estar cá esta semana, pode ser que as coisas se consigam desbloquear”, conclui.

Sobre o tema da economia e das previsões do Banco de Portugal publicadas nesta semana que passou, Marques Mendes disse que “o Banco de Portugal fez esta semana previsões de crescimento da economia até 2019. O que se constata, é que segundo as previsões, Portugal crescerá no máximo 1,5% ao ano. Nunca acima desse valor até 2019”

Mostrando uns gráficos de barras o comentador disse que se estas previsões se confirmarem “nós vamos ter um mandato inteiro deste Governo com um crescimento inferior ao do Governo de Passos Coelho”.

Isto porque em nenhum ano de toda a legislatura (2016/2019) Portugal crescerá sequer ao nível de 2015 (1,6%).

Marques Mendes conclui dizendo que “isto é um problema económico para o país. São mais quatro anos a divergir da Europa. Mas é também um problema político para António Costa. Como é que ele vai explicar aos eleitores portugueses nas próximas eleições que em 4 anos de mandato nunca conseguiu fazer nem melhor nem igual ao Governo de Passos Coelho”?

 

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários