Marques Mendes: Pedro Nuno Santos “só tinha um caminho que era pedir a demissão e sair pela porta grande”

Especialmente duro da abordagem do primeiro-ministro sobre a divergência com Pedro Nuno Santos, Luís Marques Mendes disse que “isto não é apenas desautorizar o ministro, é maltratá-lo, é humilhá-lo, é desacreditá-lo na praça pública”, acrescentando que “não se faz um adversário político, muito menos a um colega de Governo”. 

O comentador político Luís Marques Mendes criticou a divergência pública entre o primeiro-ministro e o ministro das Infraestruturas considerando que António Costa desautorizou Pedro Nuno Santos em público, defendendo que enfraqueceu a posição do ministro, que “se foi desautorizado só tinha um caminho que era pedir a demissão e sair pela porta grande”.

“Este dossiê da TAP começa mal porque começa com um conflito político e público entre o primeiro-ministro e o ministro, Pedro Nuno Santos”, disse o advogado este domingo no habitual espaço de comentário na Sic, vincando que o ministro “queria uma coisa, o primeiro-ministro desautorizou-o em público”.

Especialmente duro da abordagem do chefe do Executivo, Luís Marques Mendes foi mais longe e disse que “isto não é apenas desautorizar o ministro, é maltratá-lo, é humilhá-lo, é desacreditá-lo na praça pública”, acrescentando que “não se faz um adversário político, muito menos a um colega de Governo”.

Contudo, sublinhou que “Pedro Nuno Santos também não sai bem”, sustentando que “se foi desautorizado só tinha um caminho que era pedir a demissão e sair pela porta grande”, devendo ter optado por dizer: “eu estou disponível para liderar o processo de reestruturação da TAP, apesar de ser um processo difícil, mas exijo que tenha um conjunto de regras para ele ser seguro, designadamente a ida ao Parlamento”.

“Saiu fragilidade, sai derrotado da sua autoridade”, disse, defendendo que o plano de reestruturação da TAP deveria ser votado no Parlamento, justificando que em circunstâncias normais os processos de reestruturação das empresas não devem ser votados no Parlamento, mas que o travão do Parlamento à transferência para o Novo Banco abriu um precedente e esta solução permitia comprometer os partidos.

Relacionadas

Pedro Nuno Santos: “Não sou primeiro-ministro, não sou eu que decido”

Ministro das Infraestruturas continua a defender que o plano de reestruturação da TAP deveria ser submetido à aprovação dos deputados. E garantiu, em entrevista à SIC, que “partir do princípio de que um ministro, por ser de esquerda, convive com uma empresa pública ineficiente e a dar prejuízo, é uma leitura errada”.

“Não tenho medo de assumir posições e decisões”, diz Pedro Nuno Santos sobre querer levar o Plano ao Parlamento

Ministro das Infraestruturas queria levar o Plano de Reestruturação da TAP a votos no Parlamento, mas o primeiro-ministro recusou. “A minha posição era essa. Não foi, ficou o assunto arrumado. É mesmo assim que funciona a interação e a democracia seja em que órgão for”, disse.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários