Marques Mendes: Vida política? Nunca, nunca mais.

Luís Marques Mendes garante que nunca mais vai regressar à vida política.

O comentador disse, em entrevista na estreia do PLAY it – a nova experiência em vídeo do Jornal Económico – que já teve uma agenda política, mas deixou de ter. Já esteve na vida política, mas deixou de estar, e a ela não vai voltar.

E diz que só assim, sem uma agenda, é que pode fazer comentário político isento.

O ex-político tem sido duramente criticado – por comentadores, jornalistas e ‘opinion makers’  – por  usar o espaço de comentário semanal na SIC ‘com objectivos pessoais e uma agenda política’ e por dar notícias em primeira mão.

Mas Marques Mendes garante: “Eu não sou jornalista. Respeito imenso os jornalistas e não estou a concorrer, nem a competir com os jornalistas.”

As dúvidas levantadas em relação à forma como Marques Mendes, que também é Conselheiro de Estado, usa o espaço de comentário, levaram-nos a questionar o próprio e a procurar esclarecimentos. E Luís Marques Mendes explicou.

 

Relacionadas

As perguntas que ainda ninguém fez a Marques Mendes

Faz comentário político, dá notícias em primeira mão, e é ele mesmo, notícia. Uns seguem-no, religiosamente, e elogiam-no na rua: ‘agora é que eu percebi isto’. Outros, entre os quais jornalistas, comentadores e ‘opinion makers’ lançam-lhe críticas duríssimas e dúvidas sobre a isenção e legitimidade pela forma como faz comentário. Diante disto, nada como questionar o próprio… E Marques Mendes respondeu.
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários