Marta Temido destaca aquisição de 72 milhões de máscaras e mais de mil camas nos cuidados intensivos

“Até à data, o nosso país só para efeitos de constituição para reserva estratégica nacional, adquiriu 58 milhões de máscaras cirúrgicas, cerca de 14 milhões de máscaras ffp2 e ffp3 e 22 milhões de luvas para além de esterilizadas e não esterilizadas”, apontou a ministra da Saúde em audição.

Marta Temido, ministra da Saúde | Cristina Bernardo

A ministra da Saúde, Marta Temido destacou algumas das aquisições do Estado português em relação à covid-19 e referiu o número de testes realizados, bem como a quantidade de camas nos cuidados intensivos.

Durante a audição na Assembleia da República, Marta Temido, frisou que “até à data o nosso país só para efeitos de constituição para reserva estratégica nacional adquiriu 58 milhões de máscaras cirúrgicas, cerca de 14 milhões de máscaras ffp2 e ffp3 e 22 milhões de luvas para além de esterilizadas e não esterilizadas  para além de batas, fatos protetores, calçado, toucas, este foi o primeiro momento em que nos preparamos para a resposta à pandemia”.

“O segundo momento prende-se, como os presentes sabem e recordam, com a questão da organização da capacidade de resposta em termos laboratoriais à covid-19”, explicou a governante aos deputados presentes na audição.

Quanto à resposta laboratorial, a ministra da Saúde salientou que Portugal passou “de uma capacidade de testes em março que ficou numa média de 5.500 testes para valores que hoje nos posicionam em mais de 5 milhões e 100 mil testes de diagnostico covid já realizados no sistema de saúde português numa intensa colaboração entre as várias áreas que o compõem desde o Serviço Nacional de Saúde aos operadores privados à própria academia e outros operadores”.

Marta Temido enalteceu os “128 pontos de realização de testes laboratoriais e que foi mais recentemente completada também por aquilo que é a resposta de testes rápidos de antigénio”. Foram igualmente destacados os “81 pontos de realização de testes feitos de antigénio de uma ajuda ao diagnostico de SARS cov 2 que é muito relevante pela simultânea combinação de fiabilidade, sensibilidade e celeridade no diagnóstico”.

Sobre as camas dos cuidados intensivos, Marta Temido realçou que “se é certo que em meados de março tínhamos cerca de 500 camas de cuidados intensivos no nosso país entre as várias tipologias das unidades de intensivos, níveis 2 e 3, é certo que hoje temos mais de mil camas de cuidados intensivos”

“Foi fruto daquilo que foi o envolvimento de muitos não só no programa vertical de gestão de ventiladores estimado em 60 milhões de euros, mas também aquilo que foi à posterior aposta nas infraestruturas de cuidados paliativos”, garantiu Marta Temido.

Relacionadas

Portugal conta com 1.189.750 vacinas da Pfizer até março

Marta Temido revela ser vontade do Governo assegurar a eficácia e segurança da vacina. Em audição, a governante aponta ainda que estão “com grande espectativa sobre a vacina da Moderna e o processo da vacina da Astrazeneca”.

Marta Temido: “Há uma luz ao fundo do túnel mas também há muita pressão sobre os sistemas de saúde”

Sobre os desafios dos sistemas de saúde, Marta Temido realçou que este passam por “manter a capacidade de resposta à operação normal” e “responder com segurança e qualidade àquilo que são as necessidades da pandemia”.
Recomendadas

Proposta do Chega para criar comissão de inquérito à gestão da pandemia será chumbada (com áudio)

Instrumentalização e banalização de comissões parlamentares de inquérito, esbanjamento de recursos, descredibilização de consensos e criação de ‘soundbite’ são as acusações dirigidas por PS, PAN e Livre ao Chega. Desde o início da legislatura, o partido já propôs cinco comissões parlamentares de inquérito, todas rejeitadas. O dia de hoje contribuirá para a tendência.

Pequim admite que Ómicron é menos virulenta e sugere fim de ‘zero covid’

A vice-primeira-ministra chinesa encarregue de supervisionar as políticas de prevenção epidémica reconheceu hoje que o país se encontra numa “situação nova” e que a virulência da covid-19 “está a enfraquecer”, sinalizando o fim da estratégia ‘zero casos’.

Covid-19: “Casa aberta” disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

As pessoas com 60 ou mais anos podem, a partir de hoje, tomar a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e a vacina da gripe na modalidade de “casa aberta”.
Comentários