Marvila Velha – Poço do Bispo

Existe a oriente da cidade de Lisboa, para lá de Santa Apolónia, junto ao rio, um sítio cuja história se iniciou com a reconquista da cidade aos mouros, foi residência episcopal e passeio da nobreza, acolheu os pobres de Lisboa e os bairros de lata dos operários que trabalhavam nas fábricas entrando em declínio nos […]

Existe a oriente da cidade de Lisboa, para lá de Santa Apolónia, junto ao rio, um sítio cuja história se iniciou com a reconquista da cidade aos mouros, foi residência episcopal e passeio da nobreza, acolheu os pobres de Lisboa e os bairros de lata dos operários que trabalhavam nas fábricas entrando em declínio nos anos 70 com o fim da indústria.

Esquecida durante décadas, passando ao lado da Espo 98 esta zona de Marvila Velha-Poço do Bispo foi agora redescoberta por jovens artistas e empreendedores.

Em 1149, após a reconquista cristã de Lisboa aos mouros, D. Afonso Henriques decidiu doar aos bispos da Mitra de Lisboa, uma enorme extensão de terreno a Oriente da cidade.

No séc XVI, a ‘Quinta dos Arcebispos’ em Marvila define o Poço do Bispo como um limite dessa propriedade. O nome deve-se à existência de um poço que servia a população e se tornou um local de chegada pelo caminho da praia – actual rua do Açucar – que foi sendo batido ao longo dos séculos.

O palácio da Mitra pertenceu aos Bispos, Arcebispos e Patriarcas de Lisboa e é um exemplar de arquitectura setecentista que floresceu a par da construção de diversas Quintas em Marvila, propriedade de nobres que vinham descansar nas suas casas de campo junto ao rio .

Em 1933, Salazar criou em terrenos que tinham sido da ‘Mitra de Lisboa’ um asilo para o qual foram levados todos os idosos sem posses e sem família e mais tarde todos os ‘sem abrigo’ da cidade que vivessem da caridade alheia.

Quem residiu na zona associa o nome Mitra à memória do hospício-prisão, não ao elegante palacete episcopal, hoje propriedade do Município.

A industrialização leva à construção de grandes unidades industriais servidas por infraestruturas importantes, estradas, caminho de ferro, transporte fluvial e marítimo que lhes permite receber e escoar os produtos. É o caso das Fábricas dos Fósforos e Borracha, Sociedade Nacional dos Sabões, Fábrica da Cortiça, Fábrica do Açúcar refinado, Fábrica da Pólvora, Fábrica de Material de Guerra de Braço de Prata, Tanoarias e Armazéns de vinhos.

As novas vias, no entanto, dividem o território e isolam do lado norte as populações vindas sobretudo das Beiras e de Viseu trabalhar nas fábricas, que se instalam no Bairro Chinês, assim chamado devido aos filmes da época que mostravam a realidade da vida na China. No lado sul da ferrovia constroem-se unidades modernas, funcionais e que dão trabalho a milhares de pessoas.

O planeamento camarário define para esta zona ribeirinha uma vocação industrial nas primeiras décadas do sec. XX e só tardiamente planeia bairros de iniciativa pública – Encarnação, Olivais Norte e Sul e Chelas que absorvam a invasão de trabalhadores vindos da província. Estes ocupam espontaneamente terrenos públicos originando bairros de lata que permaneceram até ao fim do século passado.

Entretanto a degradação da paisagem e do ambiente leva ao abandono dos residentes mais antigos.

Inicia-se o declínio da indústria e da atividade portuária a par do insucesso do bairro de habitação social de Chelas, entretanto construído e que contribui para o processo de marginalização social.

A Expo 98 apresentou-se como a grande oportunidade de requalificação urbanística da zona oriental e o processo desenvolveu-se de forma exemplar, infelizmente travado no início deste século pela crise.

E o espraiar para poente em direção ao centro do planeamento e da construção de qualidade sofreu uma paragem súbita que todos os agentes se esforçam por contrariar.

Para além das características únicas a nível a arquitetónico o Poço do Bispo situa-se na confluência de dois sistemas sedimentados, a baixa e zona ribeirinha com o Parque das Nações.

Trata-se do local com maior potencial de expansão nos próximos anos notando-se já a reabilitação dos espaços industriais existentes para atividades ligadas às áreas criativas potenciando a chegada e permanência de uma nova população.

Assistimos a um plano espontâneo de ocupação e rejuvenescimento do tecido urbano que está a valorizar esta zona da cidade, já dotada de condições de segurança e de estabilidade necessárias para o sucesso das iniciativas das empresas recém-instaladas.

Monumentos e edifícios de interesse

. Convento do Beato

. Fábrica de Borracha

. Palácio da Mitra

. Igreja de Santa Maria de Marvila

. Armazém Abel Pereira da Fonseca

. Armazém José Domingos Barreiros

. Fábrica de Material de Guerra de Braço de Prata

 

Jovens Empreendedores e Organizações envolvidas

. Lisbon WorkHub  – coworking, workhub, eventos

. Fábrica Braço de Prata – exposições, concertos, livraria, bar, restaurante com esplanada

. Galeria Underdogs – Galeria de arte pública

. Dinastia Tang – salão de chá e restaurante de comida cantonesa

. Beatus – bar, concertos, escola de música, mercearia, garrafeira num autocarro tipicamente londrino

. Teatro meridional – companhia de teatro independente

. Entra – restaurante com workshops para todos os gostos

. Todos – hub criativo para juntar pessoal de publicidade, realizadores, fotógrafos e produtores

. Café com Calma – restaurante

. Academia de Parkour – primeira academia de Parkour do país

. Radio TSF

 

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.