Mau tempo: Cinquenta e uma pessoas desalojadas em Portugal continental

Segundo o comandante Pedro Nunes, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, os desalojados passaram para o atendimento dos respetivos serviços municipais de proteção civil e da Segurança Social, regressando às suas casas assim que possível.

Cinquenta e uma pessoas ficaram esta quinta-feira desalojadas no continente português na sequência do mau tempo, indicou a Proteção Civil, que contabilizou cerca de 4.200 ocorrências desde as 15:00 de quarta-feira.

Segundo o comandante Pedro Nunes, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), os desalojados passaram para o atendimento dos respetivos serviços municipais de proteção civil e da Segurança Social, regressando às suas casas assim que possível.

“Estão realojadas e estão bem neste momento e, assim que houver oportunidade, regressarão às suas habitações ou a uma alternativa que seja criada para poderem ficar alojadas nos próximos dias”, afirmou o comandante Pedro Nunes, aos jornalistas, numa declaração na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em Carnaxide, Oeiras.

As cerca de 4.200 ocorrências registadas entre as 15:00 de quarta-feira e as 21:00 de hoje referem-se, sobretudo, a inundações e quedas de árvores, com o distrito do Porto a ser o mais atingido.

“É o distrito do Porto, em número de ocorrências é o distrito do Porto”, referiu o comandante da Proteção Civil, apontando que também os distritos de Braga, Viseu, Aveiro e Coimbra estão entre os mais afetados.

Foi, aliás, no distrito de Viseu, em Castro Daire que se registou uma das vítimas mortais relacionadas com o mau tempo, devido ao desabamento de uma casa. A outra vítima mortal registou-se no Montijo (distrito de Setúbal), devido à queda de uma árvore.

Em relação à situação hidrológica, o comandante Pedro Nunes adiantou que a situação que mais preocupa neste momento a Proteção Civil é Águeda, pois os dois rios que atravessam a cidade – rio Alfusqueiro e rio Águeda – “estão com caudais muito próximos daqueles que resultaram nas cheias” de 2001.

“Se fizermos uma relação direta com os caudais é muito provável que nas próximas horas a cidade de Águeda venha a sofrer uma situação muito idêntica àquela que sofreu no ano de 2001”, disse.

Quanto ao rio Tâmega, em Chaves e Amarante, “os caudais estabilizaram”, mas terão que ser monitorizados nas próximas horas, porque vão sofrer ainda “uma entrada muito grande de água”.

Para as próximas horas, a Proteção Civil espera que ocorra um “ligeiro desagravamento” a partir das 03:00 de sexta-feira, quer da precipitação, quer do vento, segundo as últimas informações fornecidas pelo Instituto do Português do Mar e das Atmosfera (IPMA).

Contudo, continuou o comandante da Proteção Civil, a partir das 14:00 de sexta-feira deverá registar-se um “novo agravamento meteorológico, com um novo quadro de precipitação e de vento”, com especial incidência na região Centro e no Alentejo.

Questionado se será um agravamento tão intenso como o que se registou hoje, Pedro Nunes reconheceu que “os quantitativos” que foram apresentados à Proteção Civil “são menores”, mas “não deixa de ser uma situação com preocupação”.

Para sábado poderá existir novamente um agravamento do estado do tempo e só a partir de domingo é que poderá registar-se um desagravamento, acrescentou.

“No entanto, esta é uma situação que muda com alguma facilidade”, alertou.

Notícia atualizada às 23h17

Recomendadas

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.
Comentários