Mau tempo: Governo vai fazer levantamento dos prejuízos em Salvaterra de Magos

Os ventos fortes que se fizeram sentir na sexta-feira no distrito de Santarém causaram danificações em habitações, veículos e estufas e derrubaram cerca de 60 árvores em terrenos agrícolas e na via pública, bem como danos em postos de eletricidade e de comunicações.

O Ministério da Agricultura vai fazer “ainda hoje uma avaliação e levantamento dos prejuízos” causados pelos ventos fortes que assolaram na sexta-feira a região de Salvaterra de Magos, distrito de Santarém.

Numa resposta enviada à agência Lusa, o Ministério da Agricultura refere que essa avaliação e levantamento serão feitos pela Direção Regional da Agricultura e Pescas (Drap) de Lisboa e Vale do Tejo.

“Com base neste levantamento, o Ministério da Agricultura avaliará as medidas a adotar” precisa o Ministério da Agricultura, avançando que, até ao momento, “apenas um produtor reportou prejuízos à DRAP de Lisboa e Vale do Tejo.

O Ministério da Agricultura indica ainda que, “no decorrer do dia de hoje, esta direção regional irá disponibilizar um ‘link’ na sua página de internet, onde os agricultores poderão reportar eventuais prejuízos que tenham sofrido na sequência da tempestade que ocorreu em Salvaterra de Magos”.

Os ventos fortes que se fizeram sentir na sexta-feira à tarde na zona de Salvaterra de Magos, no distrito de Santarém, causaram danificações em habitações, veículos e estufas e derrubaram cerca de 60 árvores em terrenos agrícolas e na via pública, bem como danos em postos de eletricidade e de comunicações, segundo a Proteção Civil.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) precisou que “o fenómeno de ventos extremos” afetou em especial a localidade de Foros de Salvaterra, no concelho de Salvaterra de Magos, não existindo registo de feridos.

Recomendadas

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.
Comentários