Mau tempo já causou mais de 200 ocorrências

A tempestade ‘Bruno’ não afeta diretamente Portugal, mas o sistema frontal que lhe está associado piorou as condições do tempo desde o final do dia de terça-feira.

O mau tempo já originou 225 ocorrências no continente português desde a tarde de terça-feira, como quedas de árvores, estruturas ou inundações, sendo os distritos de Aveiro, Coimbra e Viseu os mais afetados, de acordo com a informação disponibilizada pelo comandante Miguel Oliveira, da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), ao Jornal Económico.

Segundo o responsável da Proteção Civil, este é o número de ocorrências assinalado até às 6 da manhã desta segunda-feira, 27 de dezembro. O mesmo porta-voz salienta que as condições meteorológicas encontram-se melhores, pelo que terá acalmado o número de ocorrências, comparativamente ao período nocturno.

A tempestade ‘Bruno’ não afeta diretamente Portugal, mas o sistema frontal que lhe está associado piorou as condições do tempo desde o final do dia de terça-feira. Foram lançados avisos de precipitação, de rajadas (vento) e de agitação marítima para o país inteiro, sendo que o aviso laranja (o segundo mais grave) foi emitido para os distritos de Viana do Castelo, Porto, Braga, Vila Real e Guarda.

Para Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real e Guarda são esperadas rajadas de vento de 80 quilómetros por hora, que podem atingir os 120 quilómetros por hora nas terras altas. No que respeita à agitação marítima, as ondas serão de noroeste com cinco a seis metros, podendo atingir o máximo de 10 metros.

Com Lusa

Relacionadas

Adeus, Ana. Olá, tempestades Bruno, Carmen, David…

A tempestade Ana fez os seus estragos esta noite mas já deixou o território de Portugal Continental, no início da manhã desta segunda-feira. A chuva e os ventos fortes diminuíram com o passar das horas.
Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários