Maxyield reclama junto da CMVM e pede subida do preço da OPA à Sonaecom

A Maxyield invoca que ainda falta “incorporar no preço da OPA o potencial da carteira de participações da Sonaecom, como demonstram as  significativas mais-valias que a empresa tem obtido na alienação ou rotação dos seus ativos financeiros”.

O clube dos pequenos acionistas enviou à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a sua posição sobre a OPA (Oferta Pública de Aquisição) geral e voluntária da Sonae SGPS sobre a Sonaecom. Contactada a CMVM não respondeu. Mas o Jornal Económico sabe que a CMVM está a analisar.

A Maxyield invoca que ainda falta “incorporar o potencial da carteira de participações da Sonaecom, como demonstram as  significativas mais-valias que a empresa tem obtido na alienação ou rotação dos seus ativos financeiros”.

“Os prémios mencionados pela Sonae SGPS no anuncio preliminar da OPA, não foram referenciados nem à dimensão do mercado das ações transacionáveis, nem aos fundamentais empresariais da Sonaecom-SGPS, designadamente o bookvalue per share e potencial da sua carteira de ativos”, refere a associação de pequenos acionistas liderada por Carlos Rodrigues.

Segundo a Maxyield, o preço da oferta no montante de 2,5 euros por ação, “está em torno dos valores da cotação no mercado regulamentado Euronext Lisbon entre 2018 e 2019, os quais se encontram influenciados pela reduzida liquidez da ação, devido aos fracos níveis de transações provocados pelo baixo free float (5%)”.

Ora, segundo as contas de 2021, devidamente certificadas por auditor inscrito na CMVM, “a Sonaecom possuía um capital próprio atribuível ao Grupo de 1.195,9 milhões de euros, o que corresponde a 3,88 euros por ação”, alerta a associação liderada por Carlos Rodrigues.

A Maxyield lembra que “a Sonaecom possuía em 30 de setembro do ano passado um capital próprio de 1.240,5 milhões de euros e 311,3  milhões de ações gerando um book value per share de 3,98 euros e superior em 59,2% ao preço da Oferta”.

“Infelizmente, quer o anuncio preliminar da OPA, quer o relatório de 4 de janeiro deste ano do Conselho de Administração da Sonaecom sobre as condições da Oferta e sobre o projeto de prospeto a enviar à CMVM, omitem totalmente o valor contabilístico da ação e as razões dum preço muito inferior ao registado nas suas contas”, aponta a Maxyield.

A Maxyield avalia a Sonaecom em quatro grandes blocos, com base nas contas de setembro. O primeiro é a liquidez (o dinheiro em caixa menos a dívida financeira) a que atribui 223,8 milhões de euros. Depois a participação de 26,07% no capital da NOS que a Maxyield diz valer 449,3 milhões.

Acresce ainda, nas contas feitas pela Maxyield, a Bright Pixel (ex-Sonae IM, sub holding para as participações na área tecnológica) que vale 457 milhões de euros. Por fim soma outros ativos (Jornal Público e outras participações fora da Bright Pixel) menos outros passivos, com um valor de 110,4 milhões. A soma destas componentes resulta no valor de 1.240,5 milhões.

A Maxyield diz que “estamos perante uma evidente subtração de valor aos pequenos investidores, pois acreditamos que as contas apresentam de forma verdadeira e apropriada, em todos os aspetos materiais, a posição financeira consolidada da empresa e o valor intrínseco dos seus capitais, conforme ditam os princípios da contabilidade”.

“Acresce que, entre 30 de setembro e o final de 2022 (altura do anúncio preliminar do lançamento da OPA), os capitais próprios terão aumentado mais de 150 milhões, conforme se descreve, elevando o valor contabilístico da ação para 4,5 euros.

Como é que a Maxyield chega a estas contas? Calcula a valorização da NOS (de 3,3458 euros, a 30 de setembro para 3,7948 euros por ação a 31 de dezembro) o que se traduz num valor de 60,3 milhões de euros; uma maisais valia na venda da participação na Maxvive, que acrescenta um valor de 64,8 milhões e o resultado líquido recorrente estimado do 4 trimestre de 2022 de 27,8 milhões o que soma 152,9 milhões.

“Face ao reconhecimento na parte final do relatório da Sonaecom aprovado em 4 de janeiro de 2023, de conflito de interesses entre as Administrações dos dois Grupos, é devido nos termos do Código dos Valores Mobiliários (CVM), uma correta informação e lealdade do comportamento”, defende a associação de pequenos acionistas.

“Dois dias depois do anúncio da OPA, a Sonae SGPS veio informar que já detinha uma participação qualificada de 90,081%, o que significa que vai recorrer ao mecanismo de aquisição potestativa pelo valor da Oferta, implicando a exclusão da negociação das ações em mercado regulamentado”, defende a Maxyield.

No entanto, a 6 de janeiro, e num comunicado no site da CMVM, a Sonae veio esclarecer que apesar de ter ações que representam 90,275% do capital da sua subsidiária Sonaecom – pelo facto de ter ações próprias que nesta fase em que decorre uma OPA o exercício de voto dessas ações se encontra suspenso – só tem 88,659% dos votos da empresa dona do Jornal Público.

A Maxyield diz que face às transações na pendência da Oferta, é expectável “o prenúncio da CMVM nos termos da lei, sobre a natureza equitativa da contrapartida, em nome da transparência e credibilidade do mercado e capitais português”.

“Os pequenos investidores, que nos têm contactado, não entendem, nem aceitam o valor proposto pela oferente e estão dispostos a recorrer à via judicial, contra aqueles que por ação ou omissão, não assegurem os mecanismos públicos de defesa dos investidores que a lei lhes atribui”, revela a associação.

“É convicção desta Associação de Defesa dos Investidores que o contexto referido é suscetível de revisão da contrapartida da Oferta”, defende a Maxyield.

Por esta razão, a Maxyield já expôs este assunto à CMVM, “aguardando serenamente e com a maior tranquilidade, a análise que a entidade supervisora do mercado venha a fazer deste assunto, com base nas disposições aplicáveis do Código dos Valores Mobiliários”, dizem.

A Maxyield ressalva que “não é contra a OPA e subsequentes mecanismos de aquisição potestativa. A OPA é legitima e corresponde a um evento de mercado devidamente regulado pelo Código. Mas, pelas razões expostas, a Maxyield é claramente contra o baixo preço da Oferta”.

No fim do ano passado, a Sonae SGPS lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonaecom, oferecendo 2,5 euros por ação. O que poderá significar um pagamento total de 90,6 milhões de euros pelas ações que não detém.

O objetivo da “holding” liderada por Cláudia Azevedo é retirar a Sonaecom de bolsa.

A eficácia da oferta fica sujeita à obtenção pela Sonae de 90% dos direitos de voto no decurso da oferta. O que ainda não aconteceu, segundo o último comunicado ao mercado. Caso o venha a conseguir, a Sonae avançará com o mecanismo de aquisição potestativa, para comprar compulsivamente as ações que não tenham ainda sido vendidas, retirando a empresa de bolsa.

“O controlo exclusivo pela Sonae permitirá uma maior eficiência e flexibilidade na gestão operacional dos negócios detidos pela Sonaecom e a exploração de novas oportunidades de desenvolvimento do seu portefólio”, justificou oficialmente a oferente.

A Sonaecom, liderada por Ângelo Paupério, é uma sub-holding do Grupo Sonae com ativos nas áreas de tecnologia, media e telecomunicações e detém 26,07% das ações da operadora NOS.

O grupo Sonae passou a deter uma participação de controlo de 36,8% na NOS, incluindo uma posição de 10,78% da holding Sonae SGPS.

(atualizada)

Relacionadas

Sonae SGPS com 88,659% dos direitos de voto da Sonaecom

A eficácia da oferta fica sujeita à obtenção pela Sonae de 90% dos direitos de voto no decurso da oferta. O que ainda não aconteceu.

Sonaecom diz que OPA da casa-mãe é adequada

A administração da Sonaecom considera OPA da Sonae SGPS “oportuna e as suas condições são adequadas”.

Ações da Sonaecom valorizam mais de 20% na abertura após anúncio de OPA pela Sonae

A Sonae oferece 76,7 milhões de euros para retirar a Sonaecom de bolsa. Isto é, para comprar as 30,7 milhões de ações que faltam para chegar aos 100% do capital.
Recomendadas

PremiumBancos centrais elevam praças acionistas

As reuniões dos principais bancos centrais criaram otimismo nos mercados financeiros esta semana.

Wall Street fecha no ‘vermelho’ depois de conhecidos dados do emprego

Os Estados Unidos da América criaram 517 mil empregos em janeiro bem acima do projetado.

PremiumNovo embargo à Rússia com impacto no preço do gasóleo na bomba

Um quarto do gasóleo consumido na Europa continua a vir da Rússia, mas a partir de 5 de fevereiro entra em vigor novo embargo. Analistas apontam que preços na bomba estão em risco de sofrer aumentos.
Comentários