Mazars anuncia quarta liderança em 75 anos

Hervé Hélias, CEO do grupo de consultoria e auditoria desde 2016, é agora também executive chairman, sucedendo nesta função a Philippe Castagnac.

A Mazars, especializada em auditoria e revisão de contas, contabilidade e outsourcing, assessoria fiscal, consulting e financial ‘advisory services’, anunciou esta quarta-feira, 26 de dezembro, a nomeação de Hervé Hélias para o cargo de ‘chairman’.

Hélias, que em 2016 sucedeu a  Philippe Castagnac como CEO do grupo, sucede-lhe agora também como executive chairman.

Castagnac foi executive chairman durante os últimos sete anos e CEO do grupo de 2011 a 2016.

Hervé Hélias acumula três décadas de experiência no setor da auditoria e consultoria. Foi, nomeadamente, responsável por alguns dos principais clientes da Mazars, liderou a área de auditoria a Entidades de Interesse Público e ocupou a posição de managing partner da Mazars em França, em simultâneo com o cargo de co-CEO do grupo desde 2012.

O pequeno gabinete de contabilidade criada por Robert Mazars em 1945 em Rouen, França lançou-se à conquista do mundo em 1995, estando atualmente presente em 89 territórios e países e empregando 23 mil pessoas.

Em comunicado, o grupo destaca a importância desta mudança, a terceira transição de liderança desde a fundação da empresa e que se verifica num momento em que a expansão global da consultora se encontra em aceleração. “Sob a liderança do seu fundador, Robert Mazars, a nossa firma cresceu para se tornar num especialista em auditoria e contabilidade em França.  A visão e liderança de Patrick de Cambourg transformou a Mazars num verdadeiro ator a nível continental, com escritórios na maioria dos países Europeus e, nos últimos 15 anos, expandimo-nos para além da Europa e desenvolvemos a nossa operação na Ásia, África, América do Norte e do Sul”, explica Philippe Castagnac.

 

 

Recomendadas

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.
Comentários