MBWay é forma de pagamento preferida no comércio online em Portugal

O estudo também revela que o pagamento por multibanco ou referência multibanco continua a ser o mais utilizado no país. No entanto o MBWay também é o que mais cresce entre a 2021 e a primeira vaga de 2022. 

DR

A Marktest lançou o estudo anual de comércio eletrónico – Barómetro E-Commerce – e conclui que o MBWay é a forma de pagamento preferida no comércio online em Portugal no universo dos consumidores portugueses com mais de 15 anos.

O estudo também revela que o pagamento por multibanco ou referência multibanco continua a ser o mais utilizado no país. No entanto o MBWay também é o que mais cresce entre a 2021 e a primeira vaga de 2022.

Em comunicado é referido que “de acordo com os dados da 1ª vaga de 2022 do Barómetro E-Commerce, produzido pela Marktest, 27,5% dos compradores online indicam o MBWay como o método de pagamento que preferem, o que permitiu a este sistema superar pela primeira no estudo da Marktest a preferência pelo pagamento por multibanco, que totaliza agora 22,7% de preferência”.

“Embora o multibanco ou a referência multibanco continuem a ser a forma de pagamento mais habitual entre os portugueses que compram online – com 73,8% dos utilizadores de sites de comércio eletrónico a assumirem usá-la – o MBWay é também o serviço de pagamento que mais sobe neste critério do Barómetro E-Commerce, com um crescimento de 4 pontos percentuais (55,3% para 59,4% entre a segunda vaga de 2021 e a primeira vaga de 2022 do estudo da Marktest)”, diz o comunicado.

Nas posições seguintes entre as formas de pagamento mais utilizadas pelos portugueses que usam sites de comércio online encontram-se o cartão de débito ou crédito (58,9%), a Paypal (39,3%), a transferência bancária (35,6%) e cartões online como o MBnet ou a Revolut (25,9%).

Nota ainda para o crescimento do pagamento Google Pay, que quase duplica para 4,5%, e para novos serviços de pagamento Apple Pay (2,7%) e 3x 4x Oney (2,2%), refere a Marktest.

No barómetro, e em relação à decisão de compra antes de decidir efetuar o pagamento em determinado site de comércio eletrónio, a esmagadora maioria dos portugueses continua a assumir que faz um trabalho de pesquisa para tentar garantir o melhor preço possível. Ao todo, 94,1% dos compradores inquiridos pela Marktest dizem pesquisar e comparar preços online antes de concretizar a compra também em ambiente digital., o que traduz um ligeiro acréscimo face aos 92% registados em 2021.

O recurso a plataformas de comparadores de preços online antes de concretizar a compra está a ganhar importância pois são já 80,3% os portugueses que assumem fazê-lo, segundo o estudo, o que traduz um crescimento de 3,5 pontos percentuais face aos dados de 2021 do Barómetro E-Commerce.

O Barómetro e-Commerce é um estudo regular de comércio eletrónico lançado em 2021 pela Marktest. O estudo faz um levantamento global, e também do período mais recente, relativamente a tipos de compras de bens e serviços, as lojas utilizadas, os meios de pagamentos, as preferências, a avaliação de qualidade e o grau de satisfação, sendo realizado com uma amostra de 6.000 entrevistas, ao universo de residentes, em Portugal com mais de 15 anos.

Recomendadas

Poupanças no gás com mecanismo ibérico entre 2,3% e 34,8%

O mecanismo ibérico que colocou um travão aos preços no mercado do gás usado para produzir eletricidade gerou poupanças entre os 2,3% e os 34,8%, nos dias 17 de julho e 07 de julho, respetivamente, segundo dados divulgados esta quarta-feira.

Após multa de 48 milhões, EDP Produção pondera acionar meios legais

O Tribunal da Concorrência confirmou hoje a decisão da Autoridade da Concorrência (AdC), que atribuiu uma coima de 48 milhões de euros à EDP Produção por abuso de posição dominante, com a elétrica a avaliar recurso aos meios legais.

Prevista para este verão, burocracia atrasa decisão sobre saída do Facebook e Instagram da UE

Um regulador de privacidade irlandês agiu contra a Meta (empresa-mãe) devido a um mecanismo de transferência dos utilizadores europeus para os EUA.
Comentários