McDonald’s quer vender negócio na China. Preço: 2 mil milhões de dólares

A McDonald’s tem mais de 2200 restaurantes na China e em Hong Kong. Há várias empresas chinesas interessadas em investir no negócio.

A cadeia de restauração McDonald’s está a estudar a possibilidade de vender o negócio ao conglomerado financeiro do estado chinês Citic ou ao fundo de investimento Carlyle dos EUA, de acordo com o diário oficial China Daily.

A MacDonald’s tem mais de 2200 restaurantes na China e em Hong Kong, que valem 2 mil milhões de dólares.

A multinacional de Fast Food ainda não confirmou se está interessada nas ofertas da Citic e da Carlyle, embora tenha anunciado que apenas irá revelar mais detalhes quando a operação estiver concluída.

Outras empresas chinesas como a Beijing Tourim e a Sanpower anunciaram que estão interessadas em investir no negócio da McDonald’s na China.

Segundo Zhu Danpeng, analista do Instituto de Investigação de Marcas da China, o potencial de compra do negócio chinês da McDonald’s pela Citic ou Carlyle é um “incentivo positivo” para a multinacional.

“A aquisição ajudaria muita à expansão da McDonald’s nas cidades do terceiro e quarto escalão na China e impulsionaria a sua estratégia de localização”, disse o analista ao China Daily.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários