“MDS passa a ter dimensão e mais expertise”

A broker de seguros MDS prepara a fusão com o maior grupo de corretagem independente do Reino Unido, a Ardonagh.

A MDS vai trocar o grupo Sonae por um broker inglês que fatura 1,5 mil milhões de US dólares anualmente. José Manuel Fonseca, CEO da MDS disse ao JE que a grande diferença “está no perfil do acionista”. À margem do encontro da plataforma de seguros Brokerslink que se realizou recentemente, o gestor salientou que “a MDS não era core da Sonae, era um acionista interessado e que gostava da empresa. Mas não era necessariamente o melhor acionista numa perspetiva de futuro da empresa”. Com esta aliança a MDS passa a ter uma retaguarda com um grande potencial de crescimento. E em termos de consequências é relevante porque a integração “é totalmente descentralizada, mantém-se a marca e a equipa da gestão”. E acrescenta: “Em cima disso passamos a ter os recursos que não tínhamos, desde logo os tecnológicos, técnicos (a empresa tem em Londres companhias que atuam no resseguro do sale e na aviation) e expertise que não tínhamos, e passámos a ter dimensão.

Faz-se sentido a MDS vir a transformar-se em seguradora?
Em princípio não. São funções diferentes, a seguradora assume risco e nós somos consultores e muitas vezes fazemos nós o produto, mas quem assume o risco é a seguradora. E depois o que fazemos é consultoria, é gestão de risco e alternativas de transferência de risco- Aliás, temos uma seguradora em Malta para outro tipo de produtos e a relação do cliente com a empresa é muito mais ampla do que a colocação do risco.

A MDS em vindo a anunciar aquisições de brokers em várias geografias, com destaque para o Brasil. Isso significa que o Brasil será no futuro próximo o grande mercado da MDS?
O Brasil é um mercado poderosíssimo, somos a terceira operação do Brasil, e muito preparados para acolher e integrar novas equipas e novos parceiros. Temos implementado uma política de M&A muito estruturada, muito bem pensada e temos uma marca e um modelo de integração e uma reputação que atrai boas empresas e equipas. Vamos tirar partido desse leverage.

Que outros mercados estão a estudar?
Onde houver boas oportunidades. Não excluímos só porque é aquela ou outra região. Se for uma boa oportunidade lá estaremos.

A geopolítica que está a acontecer, com as crises de abastecimento não faz com o que seguro tenha de se reinventar, criar novas exclusões e subir preços?
A indústria está sempre a reinventar-se. O seguro e o risco é algo que está sempre muito associado à economia em concreto. Se isso muda, o setor também muda, melhor do que a banca. Temos ciclos e a palavra reinventar é forte mas, a verdade, é que o setor tem de adaptar-se a circunstâncias novas que por vezes são radicais.

Qual o objetivo da plataforma Brokerslink? Considera que esta é a plataforma mais internacionalizada que começa em Portugal?
Talvez. Estamos em 126 países com operações locais e temos brokers e não brokers, temos “cativas” e empresas diferentes ligadas ao risco, incluindo o “Legal” mas, para além disso, é uma networking.

Friso que acima de tudo isto há uma empresa chamada Brokerslink que é detida por 60 destes parceiros e que tem sede na Suíça e na qual sou chairman. É uma empresa que é dona e gere esta rede. Foi fundada no Porto sendo que mais tarde incorporou na Suíça. A equipa está no Porto e o core é Portugal, embora a equipa seja de vários países. Relevante é que esta empresa é detida por 60 membros da plataforma, sendo uma empresa profit oriented, equity base, distribui dividendos e essa empresa gere a rede e tem um alcance mundial e pode servir um cliente a qualquer nível.

Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

Corretora de seguros Sabseg com um volume de negócios de 31,5 milhões em 2021

A corretora de seguros Sabseg registou, em 2021, um volume de negócios de 31,5 milhões de euros o que representa um crescimento de 20% em relação ao ano anterior. “Com este resultado a Sabseg assume-se como o maior corretor de seguros em Portugal”, diz a empresa.

Crédito à habitação cresceu quase 5% para 98,7 mil milhões em maio

O Banco de Portugal publicou hoje as estatísticas de empréstimos e depósitos bancários de empresas e particulares atualizadas para maio de 2022, nelas destaca que o crédito à habitação mantêm um crescimento anual de 4,8%.
Comentários