Media9Par nasce como grupo de comunicação social lusófono

Grupo Emerald, do advogado e empresário angolano N’Gunu Tiny, ambiciona criar ‘player’ de referência na Lusofonia. Depois da “Forbes Portugal” e da “Forbes África Lusófona”, há novos projetos na calha.

O Emerald Group, fundado pelo advogado e empresário angolano N’Gunu Tiny (na foto), criou uma subsidiária que vai concentrar os seus negócios na área da comunicação social, nomeadamente os direitos de publicação das revistas “Forbes Portugal” e “Forbes África Lusófona” e novos projetos que serão lançados nos países da Lusofonia. A Media9 Participações (Media9Par) nasce com o objetivo de ser um player de referência na comunicação social no espaço lusófono, explicou ao Jornal Económico Raúl Bragança Neto, administrador do Emerald Group.

“A Media9 Participações vai posicionar-se como um player lusófono, alavancando a língua portuguesa como um ativo sócio-económico e cultural, criando uma plataforma multi-conteúdos e multicanal”, explicou o responsável.

O “9” na designação do grupo remete para os nove estados que integram a Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP), que em conjunto contam com mais de 287 milhões de habitantes e um PIB conjunto de 1,8 biliões de dólares. A estratégia da Media9 passa por olhar para a lusofonia de forma integrada, com um foco nas áreas que serão decisivas para o crescimento da economia mundial nas próximas décadas, como a transição climática.

“Vamos explorar a relação entre a economia e negócios e a política, com vista a fomentar e dar visibilidade a líderes e empresas que estejam a transformar o espaço lusófono em temas estruturantes como a transição climática e energética, a transformação digital e a inovação social”, adiantou o gestor.

O Emerald Group estreou-se na área dos media em 2018, com o investimento numa participação minoritária (40%) no “Polígrafo”, seguindo-se, em 2021, a compra dos direitos de edição da “Forbes Portugal” e o lançamento da “Forbes África Lusófona”. Detém ainda uma participação de 40% no Viral, um projeto lançado em 2021, em plena pandemia, para ajudar a combater a desinformação na área da saúde. As participações minoritárias que o Emerald Group mantém no Polígrafo e no Viral não estão incluídas na Media9Par.

Nesta fase, a Media9Par vai consolidar os projetos já existentes e prevê lançar outros que se enquadrem na sua estratégia de crescimento, adiantou Raúl Bragança Neto, sem revelar detalhes.

Grupo tem investimentos na energia e sector financeiro 

Fundado em 2009, o Emerald Group está sediado no Dubai International Financial Center e é uma holding de investimentos detida exclusivamente por N’Gunu Tiny, com foco no sector financeiro, energia, investimento de impacto e inovação social. No portfólio do grupo destacam-se, entre outros projetos, o Banko Financial Services, a Nino Oil (petróleo e gás), a NextGen Mining e a Emilor (joint venture com a fabricante de lentes Essilor). Em Portugal, o Emerald detém a firma de gestão de ativos GreenOne Capital (ex-Optime), tendo sido acionista da boutique Optimal Investiments.

Nascido em 1977, N’Gunu Tiny é filho do médico Carlos Tiny, falecido em abril último, que entre outros cargos foi ministro dos Negócios Estrangeiros de São Tomé e embaixador em Portugal. É licenciado em Direito pela Universidade Nova de Lisboa, investigador na London School of Economics (LSE) e visiting fellow na Harvard Law School. Começou a sua carreira na sociedade de advogados CFA, em Luanda, seguindo depois para Londres, onde foi co-fundador e chairman da firma de serviços financeiros Eaglestone, até 2013. Nos anos que se seguiram, entre outras funções, foi chairman e CEO do Banco Postal e administrador da De Beers Angola.

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Há 45 anos foi vendida a primeira Coca-Cola em Portugal

Foi a 4 de julho de 1977, num café na Baixa de Lisboa. “Não só faz parte da história do país como contribui ativamente para a economia nacional. Por cada euro que é gasto em Coca-Cola, 81 cêntimos permanecem em Portugal”, diz Rui Serpa, diretor em Portugal da Coca-Cola Europacific Partners.
Comentários